Ocupação Carlos Marighella: uma vacina contra os vírus

Thales Emmanuel

Esse artigo é uma reflexão do companheiro Thales Emmanuel, militante da Organização Popular (OPA), sobre a recente – e ainda em curso – experiência de luta por moradia de um grupo de trabalhadoras e trabalhadores sem moradia em Fortaleza.

Já vivíamos no aluguel. A vida na grande Fortaleza já era um aperreio bem antes dela aparecer. Alguns de nós morávamos nas ruas. Era nas calçadas que a dureza deste mundo cão ninava nossos filhos. Os olhares sempre foram de condenação e medo. Há uma placa de “Não se aproxime!” pendurada na testa de cada cidadão de bem. Nos acostumamos a fazer cara de cachorro dócil para sobreviver. O costume é um beco sem saída arrodeado de carabinas socadas contra seu peito. Não é opção. Mas aí ela chegou, a pandemia veio com tudo e o que era difícil ficou ainda pior.

Os corações começaram a bater acelerados de preocupação. O beco estreito da vida estreitou ainda mais. Éramos todos e todas sem teto, sem direitos. Uma verdadeira aglomeração de oitenta e cinco famílias sem condições de sobreviver. Nos encontrávamos imprensadas entre a covid e a fome, entre o corona e as calçadas, entre os olhares de medo e os de condenação. Crianças, mulheres, homens e idosos. Sim, havia aglomeração! Aglomeração de necessidades, de muitas necessidades. E a estranheza se fez união! Ocupamos então um terreno abandonado havia mais de três décadas. Era o dia 8 de junho de 2020, quando iniciamos a construção de nossos barracos.

Como acontece todas as vezes que o povo se une e se põe em movimento, logo apareceu polícia. Escoltavam representantes de empresas que surgiram do nada se dizendo donas do terreno, AKASA e Direcional. “Quem é a liderança?”, perguntavam em tom ameaçador. “A líder aqui é dona Neci. Dona Necessidade”, respondíamos.

Um dia, sem que esperássemos, a viatura da PM estacionou na frente da ocupação e ficou de butuca. De repente, surgiram homens armados, certamente a mando das empresas, e começaram a destruir nossos barracos. Foi um desespero. “Vamos entrar todos neste aqui!”, alguém gritou. Entramos. Por conta desse gesto de coragem, desse “tudo ou nada”, o barraco no qual nos abrigamos foi o único a permanecer em pé. O ataque criminoso dos capangas das empresas deixou em sangue uma de nossas companheiras, grávida de cinco meses. O pequeno Emanuel nasceu prematuramente dias depois, passou alguns minutos entre nós e faleceu. A polícia nada fez para nos defender deste crime covarde e cruel. Muito pelo contrário, foi totalmente cúmplice.

Os capangas se foram e deixaram os escombros. Escombros de papelão, de corpos, escombros de almas. Refletimos em meio à dor. Na TV, o que assistíamos era um despejo atrás do outro. Famílias sem teto, quilombolas, indígenas. Eram comunidades bem mais numerosas e mais antigas do que a nossa, e foram derrotadas. Como seria possível à gente vencer?

“Vamos enfrentar muitos desafios, muitas dores, mas só seremos derrotados se desistirmos”, bradou o espírito militante. “É dos escombros que encontraremos a força de nossa vitória. Teto de papelão, coração de leão!”

Militantes são os e as camaradas das organizações populares que se juntaram à resistência desde os primeiros momentos. Estavam no dia a dia com a gente, partilhando suas experiências e seus sonhos. Graças a esses companheiros e companheiras, conhecemos um pouco de nossa própria história, a história da classe trabalhadora, de nossa classe. A luta não começava ali, vinha de longe. Numa das assembleias, momento onde tudo era debatido e decidido pelo conjunto da comunidade, nos contaram a história de um lutador negro e comunista – e nos explicaram o que era comunismo –, que enfrentou muitas ditaduras e entregou sua vida na luta pela libertação do povo. A identificação foi imediata e batizamos nossa comunidade com o seu nome: Ocupação Carlos Marighella. Sem saber, estávamos nos tornando militantes também.

Começamos então a planejar nossas ações. Muitas assembleias, muitas reuniões. O poder judiciário havia determinado ordem de despejo para o dia 2 de setembro. Se a existência de milhões de famílias sem teto – e pior, em plena pandemia – não é motivo suficiente para a Justiça ser justa, então o que nos resta é lutar.  Ocupamos a Secretaria das Cidades do governo do Estado e a ordem de despejo foi adiada para o mês seguinte. Ocupamos uma avenida de grande circulação de veículos. Visibilizamos nossa causa. Iniciamos uma articulação ampla de apoios. “Somos todas e todos Marighella!” No Dia das Crianças, 12 de outubro, as mães e a meninada da Marighella ocuparam o pátio de entrada do Palácio da Abolição, sede do executivo estadual, e redigiram uma carta, que foi entregue ao governador dias depois, em nova ação de luta. Tamanha a pressão, que a ordem de despejo foi adiada por mais um mês.

Neste momento, a Ocupação Carlos Marighella já estava bastante conhecida. Chegavam vídeos de apoio de todo lugar do Brasil e até de outros países. É como se lutássemos por algo maior do que nossas oitenta e cinco moradias. Estava em disputa a dignidade de todo o povo.

Pressionado, o desembargador adia por mais uns dias o despejo, para ver se as famílias aceitam a proposta de aluguel social feita pela prefeitura. Em assembleia, cada morador da Marighella deu sua opinião: “Querem nos dispersar, quebrar com a resistência”, “Despejo humanizado não existe. É o mesmo que estupro culposo”, “Aluguel social não!”. O desembargador deve ter irado com a intransigência do povo. Tanto que determinou o despejo, “de forma inexorável e inarredável”, para o dia 11 de dezembro, logo após as eleições,

Tínhamos uns 14 dias para planejar e agir. O clima era de total tensão. A polícia tentava intimidar com aparições repentinas sem mandado judicial. Queríamos uma audiência com o prefeito, que não havia dado as caras ainda. Seus representantes só embromavam. Decidimos não fazer nenhuma ação mais contundente durante os últimos dias da campanha eleitoral, para não correr o risco de ser manipulada pela extrema direita. E foi por pouco que o candidato dos fascistas não venceu. Mas, três dias após o pleito, retornamos às ruas e ocupamos a sede estadual do PDT, partido do então e do prefeito eleito. Exigíamos audiência imediata com os dois.

Realmente não eram poucas as pessoas que acompanhavam a epopeia das famílias da Ocupação. Com a rede de apoios bem firmada e se ampliando, a sede do PDT poderia rapidamente se tornar ponto de convergência para toda essa gente. Os prefeitos então agiram com velocidade e marcaram a audiência para o dia seguinte.

Na mesa de negociação, em meio às incertezas, uma inabalável convicção apareceu pela voz de uma das ocupantes: “Não pense que estamos blefando, seu prefeito. Se quiser mesmo tirar a gente de lá, pode mandar os 85 caixões, porque daquela terra só saímos para nossas casas, ou mortos.”

O prefeito arregalou os olhos. Pela boca de Márcia falou toda uma coletividade. Pela boca de Márcia se sentiu aquela imbatível energia que todo o povo trabalhador possui, mas só aparece quando este se une. Energia que faz tremer toda a classe exploradora. Por fim, o prefeito se comprometeu em fazer o repasse de um terreno para as famílias, vizinho ao ocupado.

Mesmo com essa decisão, sendo uma questão de tempo a transferência para a terra conquistada, o desembargador mantém a ordem de despejo para o dia 11.

Uma comissão da comunidade foi à casa do arcebispo e lhe entregou uma carta, contando a difícil situação e pedindo sua interseção junto ao governador estadual, comandante em chefe da PM, e ao desembargador. “O Natal está chegando. Como o senhor bem sabe, Jesus nasceu num curral porque sua mãe não teve o direito de dar a luz em local adequado.”

No correr daquelas últimas horas, ainda conseguimos organizar uma marcha nas duas favelas vizinhas à Ocupação, chamando o povo para a resistência. Nesses mesmos locais, em setembro, realizamos um plebiscito perguntando se a pessoa concordava ou não com a luta pelo direito à moradia. Todas que opinaram, concordaram. “Mexeu com um, mexeu com todos!”

No dia 11, data marcada para o despejo, a polícia apareceu, mas nossos apoios também. Pelas expressões verificadas nos rostos de cada um e de cada uma ali presentes, seriam necessários bem mais que 85 caixões.

Tamanha a pressão, que não deu outra: o desembargador teve que suspender a ordem de despejo e a favela entrou em festa. Esse poder, que não sabíamos possuir. Esse poder de derrotar os vírus da opressão e mudar o curso da história, aprendemos, chama-se: Poder Popular.

Thales Emmanuel é membro da organização Popular (OPA). Esse artigo foi publicado pela primeira vez no Informativo redentorista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.