Dividida entre Leste e Oeste

fonte:https://www.konicz.info/?p=491

Tomasz Konicz

konicz.info, 20.06.2022

Breve panorama histórico do caminho para a guerra da Ucrânia no contexto da crise mundial do capital

No início da guerra pela Ucrânia, quando o choque da megalomania do Kremlin estava apenas começando a se desenrolar, Vladimir Putin perturbou o público ocidental carente de história com palestras bizarras de história pública nas quais acusou Lenin e os bolcheviques de terem feito um terrível mal à Rússia durante o curso da revolução, uma vez que eles, de fato, moldaram a Ucrânia em sua forma atual a partir de territórios históricos da Rússia.1 Putin parecia uma relíquia do nacionalismo agressivo e expansivo dos séculos 19 e 20, que sempre justificava suas reivindicações territoriais com interpretações seletivas da história. Mas esse aparente anacronismo, que também é evidente no imperialismo neo-otomano de Erdogan, desmente sua função atual.

A ideologia reacionária putiniana da história, que em última análise vê a Ucrânia como uma sintética construção comunista e implicitamente nega seu direito de existir, é apenas um momento ideológico complementar da história muda no mainstream neoliberal em erosão no século 21. A vida no eterno agora, que se prolonga pela da indústria cultural nos centros do sistema mundial, de modo que o horizonte de memória da classe média erodida, que ainda pode pagar a ideologia, só se estende até o último espetáculo, cria o espaço público necessário para tais narrativas quando guerras ou crises criam a correspondente necessidade ideológica. Com base nessa falta de história, que é o resultado do constante bombardeio dos meios de comunicação de massa, a história pode ser explorada; e isso vale para Moscou e para o Ocidente.

E é precisamente a ideologia histórica cada vez mais propagada no Oriente e no Ocidente durante o curso da guerra (quando, entretanto, os jornais de esquerda liberal como o [de esquerda verde] Tageszeitung praticam o revisionismo histórico de direita)2 que a necessidade de uma apresentação da gênese histórica do conflito na Ucrânia se torna evidente. Em geral, processos sociais complexos só podem ser plenamente compreendidos a partir de seu desenvolvimento histórico. Mesmo o mundo capitalista, que em sua autopercepção reificada se vê como “natural” e eternamente existente, está em todas as suas contradições em constante mudança, e só pode ser entendido em termos dessa mudança.

Isso vale também para o nacionalismo – e há um pouco de verdade nas omissões de Putin -, que obviamente não é “natural”, mas um produto da formação do Estado-nação capitalista dos séculos 19 e 20. E até a consciência nacional está sujeita a mudanças: na república campeã mundial de exportação, a ideia do que deveria ser “alemão” é diferente do que os nazistas propagaram ou das ideias discutidas na Assembleia da Igreja de São Paulo. A ironia dos discursos anti-ucranianos de Putin no início da guerra, que reduziu a Ucrânia a um produto dos bolcheviques, é que esta é uma clássica projeção, uma vez que Putin e o próprio Kremlin foram fundamentais para constituir o que se formou após o colapso da União Soviética, em uma mistura heterogênea de culto a Stalin e ao Czar, como a nova consciência nacional russa.3

Exatamente o mesmo se aplica à consciência nacional ucraniana – são produtos identitários do colapso da União Soviética e da transformação caótica do sistema no espaço pós-soviético. É por isso que o cultivo das tradições é tão importante em Kiev como em Moscou, uma vez que a “invenção das tradições” (Hobsbawn),4 que acompanhou os processos de construção do Estado desde o século XIX, ainda não está completa em ambos Estados pós-soviéticos. Uma vez que tanto a Federação Russa quanto a Ucrânia emergiram do colapso da União Soviética, parece razoável examinar a gênese da guerra atual frente a esse horizonte de tempo histórico. Além disso, o desenvolvimento socioeconômico da Ucrânia, as estruturas domésticas e geopolíticas que se desenvolveram neste “país fronteiriço” nas últimas três décadas, devem ser colocadas no contexto do desenvolvimento contraditório do sistema mundial capitalista tardio. Só então as convulsões, crises e instabilidades na Ucrânia serão totalmente compreensíveis – especialmente como parte do processo de crise global.

Colapso do capitalismo de estado soviético como momento da crise mundial do capital

A crise do sistema mundial capitalista só pode ser entendida como um desenvolvimento histórico de décadas que vem se desdobrando em fases desde o fim do boom fordista do pós-guerra no final dos anos 1970, progredindo da periferia para os centros. Períodos de crise “latente”, caracterizados por uma montanha global de dívidas e bolhas especulativas crescentes, culminam em crises manifestas nas quais essas bolhas estouram, crises monetárias ou de dívida estouram e depressões devastam economias inteiras. A crise da dívida do “Terceiro Mundo” nos anos 1980, o colapso do Bloco Oriental nos anos 1990, o surgimento de “estados falidos” na periferia e a financeirização neoliberal do capitalismo nos centros, juntamente com a dívida que vem aumentando globalmente mais rápido do que a produção econômica mundial desde a década de 1980 – essas tendências de crise devem, portanto, ser entendidas como momentos de crescente contradição no capital.

Que tipo de contradição é concretamente “processada” desde a afirmação histórica do capital no quadro do movimento de expansão histórica do sistema capitalista mundial? Em seu ciclo ilimitado de exploração, o capital tenta se livrar de sua própria substância. O trabalho assalariado, valorizado no processo de reprodução do capital, constitui sua substância. Em última análise, o capital é um processo de valorização real-abstrato no qual, através de todas as mudanças formais de mercadoria e dinheiro (referido por Marx como a fórmula D-M-D’, dinheiro, mercadoria, mais dinheiro), quantidades cada vez maiores de abstrato trabalho assalariado, “morto”, são acumuladas. A instabilidade, a suscetibilidade a crises – mas também a dinâmica destrutiva – do sistema capitalista resulta da tendência do capital mediada pelo mercado de minimizar o uso do trabalho assalariado no processo de produção. O que inicialmente resulta em lucros extras para o capitalista individual – que economiza trabalho introduzindo uma nova técnica de produção – permite que a massa total de trabalho assalariado no ramo afetado da economia se derreta uma vez que essa “inovação” tenha sido implementada na economia como um todo. Assim, o sistema tende a derreter a massa de valor nos ramos de produção existentes, bem como a produzir “material humano” economicamente supérfluo.

A crise econômica e climática são apenas dois lados de um mesmo processo de crise. Ecologicamente, a compulsão de crescimento do capital faz com que a fome por matérias-primas e energia da máquina global de exploração do capital continue a aumentar – justamente por causa de sua produtividade crescente, uma vez que a quantidade de trabalho reificado por unidade de mercadoria e, portanto, seu valor, diminui.5

Essa “contradição em processo” (Marx), em que o capital se desfaz do trabalho assalariado como sua substância através da competição, ou seja, persegue literalmente sua “dessubstancialização”, só pode ser mantida em movimento de expansão quando abrem novos mercados, novas áreas de crescimento etc. O capital tem que se expandir – ou entrará em colapso por conta própria. Além da expansão quantitativa, em que se abrem novos mercados e áreas de vendas no país e no exterior, foi sobretudo a expansão qualitativa, tecnológica, que permitiu ao capital “fugir” da sua contradição interna durante cerca de três séculos. O progresso técnico, que, como resultado de “inovações” mediadas pela concorrência, leva à desintegração da massa de mão-de-obra dispendida em ramos estabelecidos da indústria, também levou ao surgimento de novos ramos da indústria, que por sua vez abriram mercados e campos para a utilização em massa do trabalho.

A economia burguesa descreve esse processo histórico de crescente contradição, que é incompreendido em sua contradição interna, como “mudança estrutural industrial”: antigas indústrias que serviram como setores-chave por um tempo estão desaparecendo para dar lugar a novos ramos mais modernos da economia. Historicamente, foram a indústria têxtil, a indústria pesada, a indústria química, a indústria elétrica e, mais recentemente, a construção de veículos fordistas, que serviram como tais “setores de liderança” que utilizaram o trabalho assalariado em massa – com o dogma ideológico da economia partindo da suposição implícita de que, em última análise, apesar de todos os atritos, os novos setores sempre criariam novos “empregos” suficientes para compensar a perda de trabalho assalariado nas antigas indústrias.

Mas isso já não funcionais mais desde várias décadas. Se se quisesse chegar ao cerne da causa da atual crise sistêmica em uma frase mais geral possível, ela poderia ser formulada da seguinte forma: A crise é o resultado do fracasso da mudança estrutural industrial desde os anos 1980. Por isso, os impulsos de racionalização da revolução microeletrônica significaram que, pela primeira vez, as novas indústrias de TI não podiam mais criar novos empregos e oportunidades de exploração suficientes para compensar a força de trabalho em declínio nas antigas indústrias. Desde a década de 1980, quando o longo boom do pós-guerra chegou ao fim, não houve um setor industrial líder em que o trabalho assalariado fosse usado em grande escala. A financeirização do capitalismo iniciada na década de 1980 foi uma reação sistêmica a essa crise na produção de mercadorias, na qual as forças produtivas explodiram em certa medida as relações capitalistas de produção.

No contexto da financeirização global do capitalismo, em que o setor financeiro – especialmente nos EUA – ascendeu para se tornar o setor econômico dominante, a esfera financeira parecia assumir a função de setor líder, de “motor” da economia. Os crescentes tremores do mercado financeiro que abalam o sistema financeiro mundial desde a década de 1990 deixaram claro que isso não pode funcionar por longos períodos de tempo, pois na esfera financeira não há exploração do trabalho assalariado criador de valor. Após uma série de crises financeiras regionais na década de 1990, como a crise asiática e a falência da Rússia, uma verdadeira bolha financeira global se estabeleceu a partir da segunda metade da década de 1990. As bolhas de especulação que aumentam de tamanho e provocam tremores cada vez maiores no mercado financeiro quando estouram sucedem-se: da especulação PontoCom [.com], com ações de alta tecnologia que estouraram em 2000, ao boom imobiliário de 2007/08, a gigantesca bolha de liquidez causada pela expansão da política monetária dos bancos centrais foi inflada em resposta aos tremores do mercado financeiro após o estouro das bolhas imobiliárias – quando a política se tornou o motor dessa dinâmica e teve que absorver cada vez mais as consequências das bolhas estouradas com meios extremos preparando o terreno para novas dinâmicas especulativas (fases de juros zero, impressão de dinheiro).

Essas crises no sistema mundial capitalista tardio não se refletem apenas na história econômica da Ucrânia; mesmo o definhamento e a implosão do socialismo realmente existente, que será descrito abaixo como um regime capitalista de Estado que alcança a industrialização, estão intimamente ligados às crises da economia de mercado, às quais, segundo a ideologia oficial, ele se opunha. O início do fim das ditaduras do desenvolvimento capitalista de Estado na Europa Oriental, cujos líderes a partir do final da década de 1960 muitas vezes tentaram uma crescente integração ao mercado mundial, foi marcado pela crise de longo alcance do sistema capitalista mundial na década de 1970, que entrou para a história sob o conceito de estagflação. O boom fordista do pós-guerra chegou ao fim, o que levou a um aumento do desemprego e a uma paralisação emergencial da economia em muitos países capitalistas centrais, enquanto a política keynesiana de crise daquela época elevou a inflação por meio de baixas taxas de juros e sempre novos pacotes de estímulo econômico.

Devido às tendências de estagnação econômica, a nomenclatura “socialista” em países como Polônia, Hungria ou Iugoslávia estava se esforçando cada vez mais na década de 1960 para realizar a modernização de suas economias nacionais por meio de excessivos empréstimos ao Ocidente. O reembolso dos bilhões de dólares de créditos ocidentais deveria ser realizado com a venda de mercadorias no mercado mundial que fossem fabricadas nesses setores econômicos modernos e financiados pelos referidos empréstimos. E muitos dos países em desenvolvimento do Sul Global que acabaram de se tornar independentes seguiram exatamente a mesma estratégia na época. Por um tempo, o cálculo pareceu funcionar, como mostram os impressionantes dados econômicos do início dos anos 1970 na Polônia, por exemplo. No entanto, essa crescente integração ao mercado mundial foi fatal para as ditaduras do desenvolvimento capitalista de Estado com a eclosão da fase de crise de estagflação acima mencionada nos anos setenta (uma crise de superprodução capitalista simplesmente não estava no radar da nomenclatura socializada em uma economia de escassez).

A clássica armadilha da dívida, à qual também sucumbiu a maioria das tentativas de modernização nos três continentes, se fechou: enquanto os produtos de exportação do Leste Europeu dificilmente encontravam vendas no mercado mundial devido à crise sistêmica de superprodução, a reviravolta nas taxas de juros introduzida pelos EUA no final da década de 1970 – com a qual se combateria a escalada da inflação – fez com que explodissem os custos de serviço das dívidas. Além disso, as economias capitalistas de Estado do Leste Europeu já não se viam em condições de realizar a terceira revolução industrial da tecnologia da informação e da microeletrônica que começou nos centros do sistema mundial capitalista no início dos anos 1980, o que levou a um enorme aumento da produtividade em toda a produção de mercadorias e que tornou rapidamente obsoletas e desvalorizadas as capacidades produtivas fordistas tardias – importadas do Ocidente por meio de empréstimos – na Europa Oriental. As ditaduras do desenvolvimento do Leste Europeu simplesmente não foram mais capazes de acumular a gigantesca massa de capital necessária para a construção extremamente capital-intensiva de uma indústria de TI.

As tendências de estagnação no “Bloco de Leste”, que eram inconfundíveis nos anos 80, apontam para um déficit sistêmico arraigado dessas economias do Bloco de Leste, bem como para a base sistêmica comum do Oriente e do Ocidente, base comum que consiste na produção de mercadorias, a do Oriente só tendo sido criada após a revolução no início do século XX, operando sob controle estatal. O sistema centralizado de planejamento estatal e gestão da economia, que possibilitou os enormes – e também assassinos em massa – surtos de industrialização da União Soviética na década de 1930, não era mais capaz de lidar com a crescente diferenciação das economias capitalistas de estado na segunda metade do século XX.

Em todo o Bloco Oriental, o Estado apareceu não como um “capitalista ideal” [(Engels)], mas como um verdadeiro capitalista coletivo que buscava iniciar, coordenar e otimizar o processo de acumulação de capital em nível macroeconômico. No entanto, a produção de mercadorias coordenada por uma autoridade central de planejamento perdeu gradualmente sua eficácia à medida que se tornou mais complexa.

Embora o crescimento econômico extensivo, ou seja, o desenvolvimento de novas capacidades de produção, pudesse ser implementado rapidamente por meio da coordenação estatal central, incluindo a mais brutal mobilização dos trabalhadores (com a qual o stalinismo conseguiu reduzir para cerca de uma década concentrada os horrores da “acumulação primitiva”,  que na Inglaterra durou mais de cem anos), as tentativas para alcançar um crescimento intensivo – que resultam de esforços para modernizar as capacidades de produção existentes – nas economias do socialismo realmente existente pararam. Muitos dos esforços de reforma em países socialistas de estado individuais (como na Polônia em 1956, na Tchecoslováquia em 1968 ou na RDA com o NÖSPL [Novo Sistema Econômico de Planejamento e Gestão, 1963]) resultaram precisamente da percepção implícita da nomenklatura local dessas tendências estagnadas de uma estrutura econômica centralizada, que se originou no contexto de uma modernização tardia de um país de fato pré-industrial – a antiga União Soviética. E esse planejamento e gestão estatal centralizados, que possibilitaram o rápido surto de industrialização na década de 1930, mostraram-se inadequadas para promover novos surtos de modernização em distintas formações sociais fordistas.

O teórico da crise Robert Kurz vê a eliminação da competição interna dentro das ditaduras do desenvolvimento capitalista de Estado como o pré-requisito mais importante para que a tentativa de modernização tardia na União Soviética seja iniciada:

O paradoxo lógico de um sistema produtor de mercadorias sem concorrência teve sua razão no paradoxo histórico de que no início do século 20 uma nova economia nacional independente só poderia ser desenvolvida tornando absoluto o impulso estatal. A concorrência teve que ser suspensa por causa da concorrência: para poder sobreviver na concorrência externa contra os países relativamente mais desenvolvidos do Ocidente, para não ser absorvido por eles ou ser degradado para zonas periféricas subdesenvolvidas, a concorrência interna precisou ser, em sentido stalinista, eliminada por meio de comandos estatais.6

Devido a essa constelação historicamente condicionada de uma inferioridade econômica permanente em relação aos centros capitalistas avançados, as formações sociais capitalistas de Estado do bloco oriental, lutando constantemente para “alcançar” o Ocidente, congelaram em economias de guerra permanentes, que se revelaram completamente inadequadas, também em termos de organização, às exigências do final da década de 1970 para corresponder à Terceira Revolução Industrial, que se tornava cada vez mais evidente.

Até a eclosão da crise global de estagflação e a reviravolta nas taxas de juros nos EUA, os pródigos créditos ocidentais foram capazes de compensar a incapacidade fundamental do capitalismo de Estado da Europa Oriental de se modernizar – especialmente na Polônia e na Iugoslávia, mas também na Hungria e Romênia. Após o fracasso dessa modernização importada, o “socialismo de Estado” realmente existente também fracassou, pois não era mais possível um processo econômico e tecnológico de aproximação com os centros do sistema capitalista mundial – a partir dos anos 80, aumentou visivelmente o domínio econômico e, sobretudo, tecnológico do Ocidente sobre o Oriente, que, em última análise, também ficou cada vez mais (tecnologicamente) para trás na corrida armamentista.

O público ocidental pode achar estranho que o Bloco Oriental e o Ocidente sejam basicamente equiparados como diferentes formas do mesmo sistema produtor de mercadorias, diferenças causadas pela não simultaneidade da modernização capitalista, embora para as atuais elites funcionais na China ou na Rússia seja natural continuar a apreciar um Stalin ou um Mao como um modernizador. Stalin, por exemplo, voltou a ser popular na Rússia precisamente porque lançou as bases do atual capitalismo russo com sua estratégia de industrialização brutal. O mesmo se aplica a Mao na China.

Da nomenclatura à oligarquia

A capitulação do socialismo de Estado realmente existente – que era essencialmente uma tentativa de modernização no âmbito de uma ditadura de desenvolvimento capitalista de Estado – assumiu nos antigos Estados satélites da União Soviética na Europa Central e Oriental formas diferentes das que se deram na Rússia e na Ucrânia. Entre Leningrado e Vladivostok, a maior parte da nomenclatura garantiu o poder de venda dos meios de produção no âmbito de uma onda selvagem de privatização e, assim, transformou-se de uma elite funcional capitalista estatal em uma burguesia ou oligarquia capitalista. Já nos países da Europa Central e Oriental ocorreu a grande venda da capacidade econômica do Estado ao capital ocidental, venda que foi forçada pelo Ocidente principalmente devido ao alto endividamento desses Estados em processo de transformação.

A afinidade entre o extinto capitalismo de Estado ao estilo soviético e o emergente capitalismo mafioso é particularmente evidente nas elites funcionais, a oligarquia que se formou na década de 1990. A emergência desse instável sistema oligárquico na Ucrânia, caracterizado por permanentes lutas territoriais e de distribuição, resultou da implosão da União Soviética e do socialismo realmente existente do Leste Europeu. A maior parte da primeira geração de oligarcas veio, assim, da nomenclatura estatal socialista, a camada de funcionários do Estado, do partido e do aparato econômico, que travou lutas de poder brutais e às vezes sangrentas contra uma selvagem privatização dos bens do Estado no curso da transformação desastrosa do sistema. A figura simbólica deste período caótico de transformação é o primeiro presidente ucraniano, Leonid Kutchma, durante cuja presidência (1994-2005) o sistema oligárquico na Ucrânia tomou forma.

A classe dos funcionários soviéticos na economia estatal e nos ministérios tinha as melhores condições de partida para se apropriar da antiga propriedade estatal porque tinha conexões e competência profissional. A produção de mercadorias no âmbito do plano estatal, que se destinava a gerar lucros a nível estatal, foi simplesmente transferida para a produção de mercadorias comerciais orientada para o lucro no decurso da privatização – desde que os locais de produção sobrevivessem à transformação. Em contrapartida, o Estado, que antes tentava controlar a economia de forma centralizada, tornou-se objeto dos interesses dessa nova classe de oligarcas. O que é característico aqui é a incapacidade do Estado ucraniano de cumprir sua função de “capitalista total ideal” (Engels) – que pudesse colocar às vezes frações de capital em seu lugar se suas atividades colocassem em risco a estabilidade de todo o sistema. As estruturas estatais na Ucrânia nunca foram capazes de alcançar a independência que realmente permitiria ao Estado atuar como um fator de poder. Em vez disso, o Estado degenerou na “presa” das redes e clãs oligárquicos. Os oligarcas que controlavam o aparelho estatal o usavam para fazer valer seus interesses – por exemplo, para eliminar concorrentes impopulares.

Embora o aparato estatal ucraniano tenha tomado medidas contra oligarcas ou empresários individuais – em 2021/21 o ex-presidente e “rei do chocolate” Poroshenko7 estava na lista de alvos8 -, essas investigações são moldadas pelos interesses econômicos de oligarcas concorrentes que conseguiram ganhar o controle sobre os órgãos do Estado, ajudando seus partidos a se destacarem nas eleições. As eleições na Ucrânia decidem qual facção oligárquica pode usar o Estado para fazer valer seus interesses econômicos. Como todos os oligarcas operam em uma área legal cinzenta e, estritamente falando, precisam ser corruptos para serem bem-sucedidos, qualquer um deles pode ser processado assim que a concorrência tomar o poder estatal. Consequentemente, todos os oligarcas devem investir em jogos políticos. Aqueles “empresários” que conseguiram colocar seu rupo lá terão o poder estatal sob o controle – e, consequentemente, não serão acusados. O oligarca Kolomoisky apoia o presidente ucraniano Zelensky,9 razão pela qual a campanha anticorrupção que Zelensky prometeu durante a campanha eleitoral é dirigida contra Poroshenko e o “homem mais rico da Ucrânia”, contra Rinat Achmedov, concorrentes de Kolomoisky.10

Os meios de poder do Estado se tornaram assim rotineiramente explorados para fins “extra-estatais” ditados pelos interesses da facção oligárquica que ocupa o aparato estatal. A maioria dos cargos no setor estatal, que, devido às muitas crises e à situação econômica muitas vezes precárias, estão entre as raras fontes de renda à prova de crises, foram distribuídos entre panelinhas e espertalhões que queriam fazer o melhor uso possível desse “espojo”. De acordo com a Transparência Internacional, a Ucrânia é um dos países mais corruptos do mundo – ao lado de países como as Filipinas ou a Rússia. Desde a transformação do sistema, o Estado ucraniano nunca teve suficiente “base econômica” que só poderia ser obtida através da receita tributária da utilização de capital suficientemente ampla na produção de commodities. É efetivamente uma “loja de autoatendimento” para aqueles espertalhões que podem garantir o controle de seus instrumentos de poder.

A tragédia ucraniana que se desenrola também destaca as duas principais diferenças entre esse regime oligárquico e o sistema autoritário “pós-oligárquico” da Rússia. No curso de violentos conflitos nos primeiros dias do reinado de Putin, o poder da oligarquia russa foi quebrado pelo aparato estatal, que anteriormente havia sido capaz de colocar grandes partes da economia sob seu controle no processo selvagem de privatização – assim como na Ucrânia – após o colapso da União Soviética. O ex-bilionário Mikhail Khodorkovsky, que teve que passar vários anos em campos de prisioneiros russos, é o símbolo dessa vitória estatal sobre uma casta predatória de oligarcas, que, como na Ucrânia, emergiu em grande parte da antiga nomenclatura soviética. Desde o acordo de Putin com o ex-proprietário da [Companhia Petrolífera] Yukos, que desafiara abertamente o chefe do Kremlin, nenhum oligarca ousou se opor seriamente ao Kremlin.

O Estado russo pode ser descrito com confiança como o fator de poder central do país. Além disso, o Kremlin passou a assumir o controle estatal dos setores estratégicos da economia russa, particularmente o setor de commodities. Na Rússia, como parte da estratégia de poder político do “império da energia” amplamente moldado por Putin – que luta para que o Kremlin tenha o controle mais completo possível de toda a produção e distribuição de energia, desde os campos de petróleo e gás da Sibéria até o posto de gasolina europeu – ocorreu uma renacionalização de grandes partes do setor de energia russo. A estabilização socioeconômica da Federação Russa sob Putin resulta do foco do país nas exportações de commodities, cujas receitas não são mais contrabandeadas para fora do país por uma casta predatória de oligarcas. Além da indústria de armamentos, o setor de matérias-primas é o único ramo da economia russa que é internacionalmente competitivo, enquanto o restante da produção de mercadorias, que sofre de enormes déficits de investimento, nunca se recuperou do colapso do socialismo de Estado.

Grande parte da produção de mercadorias russas tem, portanto, estruturas arcaicas semelhantes e uma necessidade gigantesca de modernização semelhante aos conglomerados oligárquicos do Leste da Ucrânia, mas o Kremlin, com os enormes recursos e fontes de energia sob controle estatal, tem bens de exportação que contribuem para a estabilização da economia russa e, portanto, também para possibilitar a soberania econômica e política. No entanto, todas as tentativas de “modernizar” a base industrial completamente ultrapassada sob Putin falharam até agora. Portanto, a Rússia não pode de forma alguma ser considerada um “modelo de sucesso”.

A Rússia também é considerada um dos Estados mais corruptos do mundo, embora aqui o Estado não tenha se tornado objeto das lutas pelo poder, mas seu sujeito: a vitória de Putin sobre a oligarquia de transformação predatória criou uma oligarquia estatal que emergiu dos ministérios e do aparato de segurança, cuja riqueza e poder saíram precisamente do controle das empresas estatais.11 O sucesso dos negócios depende – também no setor privado – de bons contatos com o Kremlin e de uma posição segura dentro da camarilha, assim como era nos dias dos czares. Aqui, o Estado não é apenas o centro político, mas também econômico do poder, no qual facções e cliques dos “ministérios do poder” russos (os notórios silovniki) lutam por sinecuras e controle de empresas estatais. Aqui, também, o Estado é uma “loja de autoatendimento”, torna-se presa da “oligarquia estatal” que “acomoda” suas panelinhas nos postos apropriados, posições que servem principalmente para garantir economicamente os funcionários. O desempenho embaraçoso do exército russo nos primeiros meses da guerra revelou o quanto a corrupção resultante está corroendo o aparato estatal autoritário russo por dentro, uma vez que o aparelho militar obviamente também funcionava principalmente como uma estrutura estatal de abastecimento/alimentação.

Desenvolvimento econômico: transformação, economia deficitária e programa do FMI

A transformação sistêmica que trouxe esse capitalismo da máfia pós-soviética da década de 1990 foi caótica e desastrosa em quase todos os Estados do antigo bloco oriental, mas em nenhum lugar o choque para todo o tecido social foi mais profundo do que na Ucrânia. Mesmo a catástrofe da transformação russa, que até hoje faz Putin aparecer como um fator de ordem autoritário na Rússia, fica atrás do colapso econômico da Ucrânia. A curta história econômica da Ucrânia independente consiste de fato em uma série de crises, interrompidas por fases de estagnação e formação de bolhas financiadas pela dívida. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o desemprego real na Ucrânia era de cerca de 23% no final da desastrosa década de 1990,12 com a transformação acompanhando um declínio geral de 33% no número de empregos. O salário médio era de apenas 40 dólares americanos, o salário mínimo legal de 41% do salário médio não era suficiente, segundo a OIT, para satisfazer “as necessidades básicas de vida”. A desvalorização da poupança soviética, que é comum nas sociedades de transformação, ocorreu na Ucrânia em 1993, de modo que a maioria dos assalariados que não possuíam terra entraram na transformação em grande parte desapropriados.

Com o colapso da União Soviética começou uma queda econômica maciça e uma onda predatória de pauperização, que, como eu disse, superou até os choques socioeconômicos na Rússia. Durante a maior parte da década de 1990, a Ucrânia esteve em recessão, às vezes com taxas de contração de dois dígitos (1992-1996). Esse colapso da Ucrânia pós-soviética pode ser ilustrado de forma particularmente flagrante com um número: em 1998, a produção econômica da Ucrânia era apenas 40,9% do valor de 1990.13 As consequências sociais e econômicas da transformação do sistema da qual a Ucrânia, como a Rússia, só emergiu como formações de Estado podem definitivamente ser comparadas com as consequências de uma guerra. No ano do desastre ucraniano de 1994, por exemplo, o PIB caiu 22,4%. Em geral, as fases de crescimento econômico, com exceção dos primeiros anos do século XXI, foram mais curtas e mais fracas do que nos países pós-soviéticos com grandes depósitos de fontes de energia ou matérias-primas, enquanto as recessões entre Lviv e Donbass foram mais profundas do que na Rússia ou na Bielorrússia, por exemplo. Uma contração de dois dígitos no PIB da Ucrânia ocorreu por volta de 2009 e 2015-2016.

A grande diferença entre a Ucrânia e os países em transição do Centro-Leste Europeu, que passaram a fazer parte da periferia oriental da UE a partir de 2004, é que estes últimos experimentaram pelo menos uma reindustrialização periférica após a catástrofe da transformação: no contexto da globalização, muitas corporações ocidentais têm explorado as grandes diferenças no nível salarial e as etapas de produção de mão-de-obra intensiva não são apenas terceirizadas para a China, mas também para a Europa Central e Oriental. Essa vestimenta de vários Estados pós-socialistas para se tornarem “bancos de trabalho terceirizado” (Verlängerte Werkbanke) das corporações ocidentais, principalmente alemãs – por exemplo, Eslováquia, Polônia, Hungria – não ocorreu na Ucrânia; isso só pode ser dito de forma rudimentar nos anos entre 2014 e a eclosão da guerra.14

A década de 1990 produziu, assim, uma “geração perdida” no país do Leste Europeu, e foi apenas a partir do início do século XXI que se instalou o crescimento econômico, alimentado pelas bolhas da dívida global, pelo boom imobiliário nos EUA e Europa e as economias deficitárias resultantes – e uma bolha de dívida que também inflacionou na própria Ucrânia. Globalmente, esse apogeu do capitalismo impulsionado pelo mercado financeiro foi moldado pela bolha das PontoCom que estourou em 2000, bem como pela subsequente bolha imobiliária transatlântica (até 2007), que gerou um enorme aumento na demanda devido à atividade especulativa de construção, o que também aumentou a demanda por aço ou trigo ucraniano. Nesse curto período, em que as instituições financeiras da Europa Ocidental, em particular, mantiveram uma prática frouxa de empréstimos em todo o país, a ilusão de uma economia ucraniana funcional pôde florescer. A grande bolha especulativa nos mercados imobiliários dos EUA e da Europa Ocidental e Meridional encontrou assim um fraco reflexo na Ucrânia. A crescente inundação de crédito levantou todos os barcos, de modo que o salário médio ucraniano em 2008 foi o equivalente a 180 euros. Com a eclosão da crise em 2008, a dívida ucraniana e a economia deficitária entraram em colapso, apenas para resultar na já mencionada recessão profunda de 15% em 2009.

O breve boom financiado pelo crédito na Ucrânia pode ser visto no desenvolvimento da dívida privadas das famílias.15 Esta aumentou de menos de 5% do PIB em 2004 para um pico de 30% em 2009, antes de cair lentamente novamente nos anos seguintes: 2014 era apenas 15% do PIB. Essa pequena bonança foi alimentada por bancos ocidentais, que se viram em dificuldades financeiras após o estouro da bolha de crédito – semelhante ao maior terremoto financeiro na Europa Ocidental e nos EUA. A austríaca Raiffeisen International (RI), por exemplo, fundada em 2005 como holding do Raiffeisen Zentralbank (RZB) com foco na Europa Central e Oriental, teve que ser reintegrada ao RZB em 2009.16 Os banqueiros austríacos, anteriormente celebrados como “pioneiros do mercado financeiro”, agora têm empréstimos por meio de sua subsidiária ucraniana no valor equivalente a 5,4 bilhões de euros, dos quais cerca de 20% estavam em risco de inadimplência em 2009. O lucro do RI caiu 78% em 2009 para apenas 212 milhões de euros, enquanto as provisões para empréstimos ruins tiveram que dobrar para 1,7 bilhão de euros no mesmo período. Em menor grau, as instituições financeiras alemãs e francesas também estavam ativas na Ucrânia, com a Ucrânia sendo parte da economia deficitária na região financiada pelo capital financeiro ocidental. No final de 2008, os bancos da Europa Ocidental haviam concedido empréstimos no valor equivalente a 1,15 trilhões de euros entre o Báltico e o Mar Negro. Além dos austríacos, instituições financeiras da Itália, França, Bélgica, Alemanha e Suécia geraram cerca de 84% da dívida nesta região por meio de empréstimos generosos.

Além disso, o Estado ucraniano estava à beira da falência nacional após o estouro da bolha da dívida. Com exceção de uma curta fase por volta da virada do século, a Ucrânia quase sempre teve um déficit em conta corrente,17 semelhante aos “Estados devedores” do Sul da Europa entre a introdução do euro e a eclosão da crise do euro,18 que levou inevitavelmente ao aumento da dívida no exterior; e levou a correspondentes crises e dependências da dívida. Representantes do governo queixaram-se ao parlamento em Kiev no final de novembro de 2009 que o déficit do Estado estava ultrapassando os “limites de sustentabilidade”, porque a dívida do país havia subido em um ano de 95 bilhões para atualmente 225 bilhões de hryvnia (cerca de 28 bilhões de dólares americanos). O déficit nacional nem mesmo compunha a maior parte da dívida externa que a Ucrânia assumiu nos anos da economia deficitária global na primeira década do século XXI. No geral, em 2009, consumidores, empresas e orçamentos públicos na Ucrânia deviam cerca de 100 bilhões de dólares americanos.

Um déficit persistente em conta corrente, a reiterada ameaça de falências nacionais e o estouro de bolhas de dívida: as características do processo de crise em todas as economias nacionais, que foram esmagadas pela crescente concorrência de crise (por exemplo, no Sul da zona do euro), chamando para a cena o Fundo Monetário Internacional (FMI), que se tornou ativo nos países do Leste Europeu com o usual e drástico tratamento neoliberal de créditos de crise e austeridade. O FMI e Kiev têm, portanto, uma longa história de tensões e rupturas, que remonta à década de 1990, mas só se intensificou quando a economia deficitária global estourou em 2008 – e que contribuiu para a escalada da crise política na Ucrânia em 2014. Após a eclosão da crise econômica global, a Ucrânia teve que recorrer a empréstimos do FMI no valor total de 16,4 bilhões de dólares americanos em outubro de 2008 para evitar a escalada da referida crise da dívida. O programa foi novamente congelado depois de um ano e um desembolso de US$ 10 bilhões, porque Kiev se recusou a cumprir as condições do FMI, o que equivalia a cortes em subsídios e benefícios sociais.

Em julho de 2010, os dois lados concordaram novamente com um empréstimo stand-by de 15,15 bilhões de dólares19, que seria acompanhado por aumentos maciços de preços do gás natural. No final de 2013, no entanto, o Fundo Monetário Internacional declarou que as condições de austeridade impostas a Kiev – na época já nas mãos do governo pró-Rússia do presidente Yanukovych (2010-2014) – haviam sido cumpridas apenas parcialmente, o que impossibilitou a implementação do programa de empréstimos.20 Kiev decidiu então suspender as negociações com a União Europeia sobre um acordo de associação, citando os requisitos de austeridade do FMI,21 desencadeando os protestos Euromaidan patrocinados pelo Ocidente e que levaram à derrubada do governo, à intervenção militar russa e à guerra civil.

Acordos subsequentes entre o Fundo e Kiev já foram negociados por governos pró-ocidentais. Logo após a queda do governo em março de 2014, Kiev recebeu promessas do FMI de U$ 14 bilhões a 18 bilhões para estabilizar as forças pró-ocidentais na luta contra Moscou e os esforços secessionistas do Leste ucraniano.22 Outros acordos se seguiram em 2015, 2017 e 2020, cada um relacionado a programas de austeridade, cortes sociais ou condições políticas. Às vezes, o FMI tornava o valor dos empréstimos dependente dos objetivos de guerra de Kiev na guerra civil. Em maio de 2014, logo após o pogrom de direita de manifestantes pró-Rússia em Odessa ter desencadeado a guerra civil ucraniana, o FMI alertou o governo pró-ocidental em Kiev que uma “perda” do Donbass impactaria negativamente os níveis de crédito ocidentais.23

Ucrânia entre Oriente e Ocidente

As disputas com o Fundo Monetário brevemente mencionadas aqui foram apenas um aspecto da crescente crise na Ucrânia, que tornou o país vulnerável a intervenções externas e perdas de soberania. E foi precisamente essa crise financeira que vinha latente há anos que refletia o processo de crise capitalista descrito acima; e que fez de Kiev o objeto de uma luta pelo poder geopolítico entre a Rússia e o Ocidente. Outros números podem ilustrar esse impasse econômico: somente em 2013 – pouco antes da intervenção e da guerra civil – a Ucrânia teve um enorme déficit em conta corrente de mais de 8% do produto nacional bruto (PIB), o déficit orçamentário foi de cerca de 6,5% do PIB. Em última análise, durante anos a Ucrânia importou mais bens do que conseguiu exportar – semelhante aos países da crise do euro do Sul da Europa, como a Grécia.24 O enorme déficit comercial, que atingiu um novo recorde histórico de 7,3 bilhões de dólares no terceiro trimestre de 2013, se deve a dois fatores: por um lado, as importações de energia necessárias da Rússia, por outro lado, as consequências do colapso da estrutura econômica socialista estatal, que nunca foram superadas e que desencadearam uma enorme surto de desindustrialização. A Ucrânia nunca se recuperou disso.

Essa vulnerabilidade econômica às crises, que resultou na instabilidade permanente da superestrutura política oligárquica da Ucrânia, fez desse novo país fronteiriço entre Oriente e Ocidente um objeto preferencial de intervenção nas crescentes disputas geopolíticas entre Ocidente e Rússia na Eurásia. A primeira grande intervenção ocidental veio com a Revolução Laranja em novembro de 2004, quando alegações de fraude eleitoral contra o candidato presidencial pró-Rússia Yanukovych, que sucederia o primeiro presidente ucraniano Kuchma, levaram a semanas de protestos sem derramamento de sangue que conduziram seu concorrente pró-ocidental Yushchenko à presidência. Essa maratona de protestos, que desencadeou uma série de revoluções coloridas no espaço pós-soviético, foi apoiada por organizações não governamentais ocidentais, como a Open Society Foundation, a Konrad Adenauer Foundation e a Freedom House do governo dos EUA.

Por um lado, Yushchenko iniciou a integração da Ucrânia na UE, que deveria resultar em um acordo de associação. Por outro lado, com sua política nacionalista, empurrou uma guerra cultural contra a língua russa, que deveria resultar numa ucranização do Estado e do sistema educacional. Historicamente, ele reabilitou o fascismo ucraniano ocidental declarando a fascistas e colaboradores nazistas como “Heróis da Ucrânia”.

Outra consequência politicamente devastadora das “revoluções coloridas” permanece subexposta no Ocidente até hoje: essa intervenção ocidental na Ucrânia também desencadeou um ascenso autoritária em todo o espaço pós-soviético. Historicamente, a formação autoritária em grande escala na Bielorrússia, no Cazaquistão e na Rússia só começou após a Revolução Laranja de 2004 na Ucrânia, depois que os think tanks e ONGs ocidentais conseguiram usar a relativa liberdade de lá para impor a presidência pró-ocidental, mas também nacionalista de Yushchenko.

A segunda grande intervenção na Ucrânia, um pouco em resposta à Revolução Laranja, foi da Rússia no inverno de 2005/06 – sob o disfarce de uma “disputa de gás” de uma semana entre os dois países, afetando o fornecimento de gás de inverno da UE e a economia da Ucrânia, especialmente a indústria pesada faminta de energia no Leste do país, que mostrou o alto nível de laços econômicos entre as duas ex-repúblicas soviéticas. A Rússia conseguiu prevalecer em suas demandas por um aumento nos preços do gás para os níveis do mercado mundial (a Gazprom na época exigia US $ 230 por 1.000 metros cúbicos), mas teve que concordar com a entrega de gás natural turcomeno mais barato através da rede de gasodutos russa. No entanto, este acordo representou um ônus econômico adicional para Kiev, o que contribuiu para uma rápida deterioração da conta corrente e da situação orçamentária – especialmente porque as disputas sobre os preços da energia entre Kiev e Moscou se acirraram repetidas vezes.

A intervenção russa, que utilizou os preços da energia como instrumento de poder, também teve algum sucesso: em 2010, Yushchenko sofreu uma desastrosa derrota eleitoral de 5% devido ao seu rumo nacionalista, à má situação econômica e à turbulência da política energética, enquanto o pro-russo Yanukovych – um homem da oligarquia ucraniana oriental – se opôs a Yulia Tymoshenko e foi capaz de prevalecer. Nos três anos que se seguiram, houve uma aproximação gradual com Moscou, que foi acompanhada por crescentes tensões com o FMI e o Ocidente – até que a sangrenta luta pelo poder estourou abertamente no inverno de 2013.

Mas Yanukovych, como muitos funcionários na periferia do sistema mundial conturbado, também foi confrontado com o mesmo beco sem saída econômico: o enorme déficit duplo ucraniano só poderia ser mantido através de financiamento externo, razão pela qual Kiev teve que escolher entre as injeções financeiras de Oriente ou Ocidente, e a integração nas esferas de influência correspondentes. Kiev teve que escolher entre o regime de austeridade do FMI e os combustíveis fósseis baratos de Moscou, com ambas as opções acompanhadas de perdas de soberania (condições do FMI ou integração na esfera de influência russa). E Yanukovych, que tinha sua pátria política no Leste da Ucrânia, escolheu o Leste. Em última análise, a Ucrânia de 2013 era pouco viável economicamente devido à falta de depósitos de energia e estruturas industriais arcaicas. Não havia um “modelo de negócios” econômico que garantisse a ampla utilização do trabalho na produção de mercadorias para financiar a infraestrutura social, incluindo o aparato estatal, ou que pelo menos permitisse ganhos suficientes em divisas no âmbito das exportações de matérias-primas. Com um desfasamento temporal, Kiev encontrou-se numa situação semelhante à de Atenas; a Ucrânia era, de certa forma, a Grécia do Oriente.25

Afinal, a Ucrânia, como a maioria dos Estados pós-soviéticos ou pós-socialistas sem grandes depósitos de matérias-primas, provou ser economicamente inviável. O centro industrial no Leste do país é caracterizado por uma indústria pesada pouco competitiva, esgotada e ultrapassada, enquanto o Oeste foi amplamente desindustrializado. Uma consequência do colapso do socialismo de Estado foi a divisão econômica Leste-Oeste na Ucrânia. Até o início da guerra civil, as regiões ocidentais e “pró-europeias” do país representavam sua periferia interna, que nunca se recuperou nem remotamente do colapso da União Soviética. O Ocidente nacionalista foi caracterizado por desindustrialização, empobrecimento, decadência da infraestrutura e alto desemprego. Sem exagero, pode-se falar aqui de uma região de “terra arrasada” economicamente, de uma área de colapso econômico. Essa divisão interna entre a Ucrânia oriental, influenciada pela Rússia, caracterizada por uma indústria pesada ultrapassada, e a Ucrânia ocidental nacionalista, na qual o ucraniano é amplamente falado, formou a linha de fratura socioeconômica central do país. O Oriente tinha um interesse material na integração com a Rússia, enquanto o Ocidente podia especular sobre a abertura do mercado de trabalho da UE e os investimentos ocidentais no caso de integração ocidental.

Há alguns anos, a Bielorrússia, governada pelo autoritarismo, experimentou um destino semelhante ao da Ucrânia,26 que, devido às tendências crescentes da crise econômica, teve que aceitar uma maior integração com a Rússia para impedir uma “revolução” apoiada pelo Ocidente. Enquanto Kiev foi orientada para o Ocidente após 2014, o chefe de Estado bielorrusso Lukashenko escolheu a integração na Federação Russa. Para esses estados pós-soviéticos, devido à sua escassa base econômica, em que a acumulação de capital ocorreria em medida suficiente para a sociedade como um todo, findou a breve era de plena soberania nacional que começou após o colapso da União Soviética (Bielorrússia, por exemplo, viveu de petróleo russo subsidiado em suas refinarias e vendeu a preços mundiais – até que a Rússia começou a aumentar os preços). O Estado-nação independente está se tornando – e isso não é uma tendência genuína do Leste Europeu – um modelo histórico obsoleto que está se fundindo em alianças econômicas regionais. Apenas países pós-soviéticos com grandes depósitos de matérias-primas, como o Turcomenistão, ainda podem comprar sua soberania nacional por meio de exportações maciças de matérias-primas. Quando há depósitos insuficientes de matérias-primas para exportação, se instalaram no espaço pós-soviético os processos de crise socioeconômica que causaram a instabilidade política da Bielorrússia e da Ucrânia.

Assim, essa miséria pós-soviética reflete apenas o processo de crise global do sistema-mundo capitalista tardio delineado no início, que, por falta de um regime de acumulação que explorasse o trabalho assalariado em escala massiva, só funciona a crédito e não apenas nas semi-periferias, mas também nos centros – mas estes ainda têm as suas áreas metropolitanas econômicas, incluindo o euro e o dólar, que até há pouco permitiam o empréstimo junto da imprensa monetária. Com sua intervenção na Ucrânia em 2013/14, a UE e os EUA garantiram que nenhum instrumento de crise semelhante estaria disponível no espaço pós-soviético. O “Grande Jogo” em torno da Eurásia assemelha-se assim, de fato, a um imperialismo de crise, uma luta contra o declínio socioeconômico causado pela crise, com os centros a tentarem manter a sua posição dominante à custa da periferia. É como uma batalha no Titanic. Por esta razão, os conflitos geopolíticos muitas vezes assumem a forma de agitação política interna, revoltas, etc., que só são possíveis pela desestabilização dessas sociedades em crise.

A Rússia e o Ocidente aproveitaram essa instabilidade em seus esforços para integrar a Ucrânia em seus respectivos sistemas de alianças. Para o Kremlin, a Ucrânia desempenhou um papel central como parte de uma União Eurasiática, um grande bloco econômico independente entre a UE e a China que também seria mais resistente a choques de crise. Com a sangrenta intervenção de 2013, Washington e Bruxelas/Berlim, em particular, estavam principalmente preocupados em impedir a formação de uma aliança eurasiana que concorresse com a UE (Washington também queria impedir uma aproximação estratégica entre a UE e Moscou, o que também explica a conflitos do centro-ocidental em 2013/14).27 A “União Eurasiana” promovida pelo Kremlin pretendia unir várias economias da região pós-soviética em um sistema de aliança transnacional estruturado nos moldes da UE e da OTAN. Além do Cazaquistão e da Bielorrússia, esta união deve incluir a Ucrânia em particular. Isso daria um sério contrapeso aos europeus, que há muito se acostumaram a ver o Oriente como seu quintal, como observou o Wiener Zeitung na primavera de 2013:28

A “União Eurasiana” seria o bloco econômico russo entre o “Ocidente” e a China. E mais poderoso que a UE, porque os militares da Rússia provavelmente liderariam uma política de segurança comum. A União Europeia carece completamente deste braço. Com uma União Euroasiática plenamente desenvolvida, a UE – com base no fluxo atual de mercadorias – dependeria de Moscou para vários setores de matérias-primas e energia. […] Com base em todas essas informações, a UE tentou colocar a Ucrânia do seu lado com um acordo de associação. Infelizmente, Bruxelas não disse uma palavra sobre isso.

Como lembrete: 2013 estava no meio da crise do euro. Essa foi a época em que o então ministro das Finanças alemão, [Wolfgang] Schäuble, usou implacáveis programas de austeridade para transformar a zona do euro em um quartel prussiano para cimentar o domínio de Berlim em “sua” união monetária.29 Na zona do euro, também devem ser tomadas alternativas estratégicas para a UE alemã, como a de Schäuble na Grécia, impulsionada pela depressão. Portanto, tanto Berlim quanto Washington estavam interessados em impedir a “União Eurasiana” de Moscou, intervindo em Kiev.

Sem o potencial socioeconômico da Ucrânia, esse “projeto de prestígio” russo não poderia ser realizado, e o Kremlin também não poderá atuar em pé de igualdade com a UE no futuro. Além desse motivo estratégico central, considerações militares e econômicas também desempenham um papel na intervenção do Ocidente. A Ucrânia tem excelentes terras agrícolas, e o Oeste do país pode ser convertido em um “banco de trabalho terceirizado” para empresas ocidentais devido ao baixo nível salarial. A adesão da Ucrânia à OTAN acabaria por significar uma grave derrota militar para a Rússia, que agora perderia um “Estado tampão” para a aliança militar ocidental.

Para a Rússia, a disputa pela Ucrânia representa a última chance de manter o status de grande potência imperial no futuro. Sem a Ucrânia, a Rússia “não é mais um império eurasiano”, observou o geopolítico americano Zbigniew Brzezinski em seu clássico geopolítico The Grand Chessboard. Para o Kremlin, a “perda” da Ucrânia equivaleria a um colapso geopolítico que destruiria as ambições de poder político de Putin. O sonho imperial russo acabou, mas a Rússia tem que lutar por seu status de grande potência, já que o Ocidente está se preparando para estabelecer permanentemente sua influência ali, onde antes apenas unidades blindadas alemãs poderiam avançar no curto prazo.

No entanto, a luta geopolítica e militar pela Ucrânia também deve ser entendida como parte da luta hegemônica global entre EUA e China, que estão cada vez mais sendo levadas ao confronto justamente por causa da crise econômica e ecológica que afeta todo o sistema capitalista mundial. Ocidente x Eurásia – este é o denominador comum da atual luta hegemônica global, com os campos imperialistas tentando expandir as fronteiras de suas esferas de influência. Os Estados Unidos em declínio veem a China e uma aliança eurasiana como a ameaça central à sua hegemonia em erosão. Com a intervenção em Kiev, os EUA preocupam-se, portanto, em consolidar o seu próprio sistema de alianças, que se estende o mais possível através do Atlântico e do Pacífico. Onde a Ucrânia – ou o que restará do país – encontrará seu lugar? Em uma aliança eurasiana com a Rússia e a China, ou no sistema de aliança ocidental?

A Ucrânia tornou-se assim literalmente o campo de batalha de uma guerra imperialista, com as linhas de frente também se movendo dentro do Ocidente. Os EUA, por exemplo, estão tentando usar uma estratégia de escalada na Ucrânia para ancorar firmemente a UE dominada pela Alemanha, que tem desejado cada vez mais atuar como um ator independente desde a era Trump, de volta à sua esfera de influência. Na esteira do golpe pró-ocidente em Kiev, ficou claro no início de 2014 que Berlim está agindo como um ator geopolítico independente e de forma alguma deixará Washington ditar suas políticas. Em 2013/14, o acordo ocidental ainda prevaleceu sobre os esforços para separar a Ucrânia da planejada união econômica russa. Naquela época, a Alemanha estava construindo o partido de Vitali Klitschko, o UDAR [Aliança Democrática Ucraniana para a Reforma],30 com a ajuda da Fundação Konrad Adenauer. O famoso “Fuck the EU” da diplomata norte-americana Victoria Nuland,31 publicado como gravação de uma conversa telefônica no auge da crise, reflete precisamente essas diferenças entre o Ocidente, que também explicam a atual relutância alemã em entregar armas à Ucrânia – enquanto Berlim está perdendo a oportunidade da guerra de agressão russa e lança um gigantesco programa de armamentos para adicionar um componente militar ao seu domínio econômico na zona do euro.

Leste ou Oeste? A mudança de orientação geopolítica da Ucrânia, que ocorreu durante este “Grande Jogo” neo-imperial de um ano entre a Eurásia e a Oceania, é literalmente refletida em sua balança comercial.32 Os laços econômicos estreitos entre os Estados pós-soviéticos da Rússia e da Ucrânia cederam sob o presidente pró-ocidental Yushchenko (2005-2010, então ainda financiado por Poroshenko), o que deu à UE uma parcela maior do volume de comércio do país do Leste Europeu, enquanto sob Yanukovych (2010-2014) o comércio com a Rússia tornou-se novamente mais importante. Somente após o golpe de 2013/14 e a anexação da Crimeia pela Rússia, os dois países pós-soviéticos experimentaram uma dissociação econômica permanente.

Outro fator que levou a Ucrânia a se afastar da órbita econômica da Rússia foi a abertura gradual do mercado de trabalho europeu aos assalariados ucranianos, liderados pela Polônia, do qual o Oeste desindustrializado do país se beneficiou em particular. Somente em 2017, cerca de 580.000 ucranianos viajaram para a Polônia em busca de trabalho – mais de dois terços do empobrecido Oeste do país.33 Ao todo, milhões de ucranianos provavelmente estarão trabalhando na UE após a abolição das restrições de trabalho e das regras de vistos.

O clássico país de emigração, a Polônia, que desde a adesão à UE deixou mais de 2 milhões de assalariados à procura de trabalho na Europa Ocidental, constituiu também a vanguarda de uma política de imigração aberta, que, no entanto, manteve-se estritamente limitada à migração laboral da região pós-soviética (ao mesmo tempo e que bloqueou a admissão de refugiados do Sul Global e da Síria).34 A concessão generosa de vistos de trabalho a migrantes ucranianos pela Polônia foi por motivos não apenas econômicos, mas também geopolíticos. Isso acelerou a dissociação da Ucrânia da órbita geopolítica e econômica da Federação Russa. A miséria econômica ucraniana foi exacerbada pelo rompimento extenso dos laços econômicos tradicionais entre a Rússia e a Ucrânia (que se desenvolveram ao longo de décadas nos tempos soviéticos), após a derrubada do governo pró-ocidental. O rápido aumento da migração de mão de obra ucraniana para o Oeste significou uma espécie de válvula social contra esse aumento da miséria.

A parte ocidental da Ucrânia, nacionalista e socioeconomicamente devastada, cujos grupos fascistas desempenharam um papel de liderança no golpe em Kiev [em 2014], recebeu assim uma tábua de salvação econômica. Ao mesmo tempo, as remessas de trabalhadores migrantes provavelmente terão um significado socioeconômico semelhante ao da Polônia logo após a adesão à UE em 2004. Enquanto o Leste da Ucrânia foi engolido pela guerra civil, um certo nível de estabilização socioeconômica foi alcançado no Oeste da Ucrânia.

Derrubada, anexação da Crimeia, guerra civil, estabilização

É frequentemente argumentado por observadores ocidentais que grupos organizados de extrema-direita e milícias foram apenas uma pequena parte dos participantes nos protestos de 2013-14, mas esses grupos militantes, bem treinados e organizados, foram cruciais na derrubada violenta do governo e o fim da presidência de Yanukovych. Sem essa ponta de lança da extrema direita, que compunha cerca de 10% dos manifestantes, a derrubada das forças pró-Rússia, vencida por meio de lutas militantes, em última análise, armadas, teria sido impossível em 2013, como os neonazistas ucranianos fizeram em um evento em início de 2022, às vésperas da invasão russa da Ucrânia realizada em Kiev.35

Em janeiro de 2014, as forças moderadas da oposição tornaram-se assim os motores de uma dinâmica alimentada por extremistas, que claramente assumiram a liderança nas ruas e sabotaram as soluções de compromisso com Yanukovych. Naquela época, esse domínio direitista nos protestos poderia ser muito bem avaliado pelo exemplo do político de exportação alemã Vitali Klitschko. Suas tentativas de impedir que os extremistas de direita aumentassem a violência em 19 de janeiro de 2014 renderam ao campeão mundial de boxe um ataque com um extintor de incêndio, acompanhado de vaias. Klitschko também foi assobiado após sua primeira conversa com Yanukovitch, depois que ele conseguiu persuadir “bandidos de direita nas barricadas em Gruschewski-Strasse a um breve cessar-fogo”, como o Spiegel Online relatou na época.36 Graças a seus apoiadores militantes e bem relacionados, os direitistas puderam iniciar confrontos com as forças policiais a qualquer momento, a fim de torpedear qualquer esforço para amenizar a situação. Naquela época, os políticos moderados tornaram-se motivados e tiveram que seguir o curso da escalada.

Naquela época, forças decididamente fascistas eram dominantes, como o partido Svoboda (Liberdade) do agitador Oleg Tjagnibok, que incitava seus apoiadores, vindos principalmente do Oeste da Ucrânia, a lançar repetidamente novos ataques. Esses extremistas de direita ganharam cerca de 12% nas eleições de 2012. Além disso, redes militantes neofascistas recém-formadas desempenharam um papel de destaque nos confrontos nas ruas. Os neonazistas, especialmente da cena hooligan e do futebol, se reúnem na rede militante nazista “Setor Direita” (Prawjy Sector), cujas unidades fortemente organizadas atuam na primeira fila nas lutas de rua. Segundo a BBC, foram os ativistas da rede nazista Prawyj Sector que lideraram os ataques militantes contra unidades policiais.37

Nas redes sociais, ativistas do Prawjy Sector chegaram a pedir abertamente doações de “estilingues, bastões de beisebol, bolas de aço, ponteiros laser, garrafas de gasolina, correntes e pirotecnia”, informou a emissora norte-americana Radio Free Europe (RFE/RL). Em 22 de janeiro de 2014, Andrei Tarasenko, coordenador dessa rede neonazista, anunciou uma “guerra de guerrilha” e uma “guerra civil” em toda a Ucrânia se local da manifestação fosse evacuado.38 Desde 2013, a mudança maciça para a direita do discurso público na Ucrânia fica clara pelo fato de que em 2014 a revista liberal de esquerda dos EUA The Nation39 informava em Kiev sobre slogans que o nacionalismo ucraniano teria produzido na década de 1930. Ativistas progressistas têm que lutar “em duas frentes” dentro do movimento de oposição, disse um ativista ao The Nation. É uma luta contra um regime autoritário e contra o nacionalismo extremista, que é reconhecido no Maidan e considerado legítimo. Provérbios como “Glória à nação! Morte ao inimigo!” ou “Ucrânia acima de tudo” de repente se tornou popular no Maidan de 2013. Mas esses slogans são agora mainstream.

O mesmo se aplica à imagem histórica da extrema direita na Ucrânia, que depois de 2013 estilizou com sucesso, como heróis populares, os colaboradores nazistas e fascistas ucranianos, que participaram fanaticamente do Holocausto alemão e do assassinato em massa no Oriente. A ironia mais amarga do apoio alemão ao Euromaidan em 2913/14, quando o então ministro das Relações Exteriores Steinmeier se reuniu para conversar com um extremista de direita com [Oleh] Tyahnybok, o chefe do [partido ultranacionalista ucraniano] Svoboda, 40 é certamente o fato de que muitos neonazistas ucranianos realmente têm uma opinião muito elevada sobre a Alemanha. O amor pela Alemanha entre os extremistas de direita ucranianos os leva a aparecer em uniformes da SS41em manifestações e comícios.42 Por exemplo, em 1º de janeiro de 2014, cerca de 15.000 extremistas de direita marcharam por Kiev em uma assustadora procissão de tochas43 para homenagear o colaborador nazista Stephan Bandera (algo como o Rudolf Hess do fascismo ucraniano). Vários manifestantes o fizeram nos uniformes da Divisão SS Galicia, montada pelos nazistas no Oeste da Ucrânia após a invasão da União Soviética (marchas semelhantes agora acontecem anualmente em Kiev).

As unidades de combate de Stephan Bandera da Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN) – cujos slogans ecoaram em massa no Maidan em 2013/14 – foram montadas pelo Wehrmacht [forças armadas da Alemanha Nazista] antes mesmo da invasão da União Soviética e envolvidas no planejamento do ataque. Esses colaboradores ucranianos participaram de inúmeros massacres durante a guerra, matando centenas de milhares de judeus, poloneses, dissidentes e opositores políticos. Encorajadas pelos ocupantes alemães, essas forças fascistas ucranianas às vezes organizavam as ações de extermínio de forma independente, como o pogrom bestial em Lviv, durante o qual a população judaica da cidade foi cercada, despojada, torturada e assassinada alguns dias após o início da guerra. O pessoal do campo ucraniano também era frequentemente responsável pelo trabalho sujo no sistema de campos de concentração alemão no Leste.

Esta prática amplamente documentada de assassinato em massa do fascismo ucraniano, que é indiscutível em estudos históricos sérios, não impede os extremistas de direita de hoje de homenagear como heróis Stephan Bandera, a OUN ou a Divisão SS Galicia. Políticos de direita foram convidados bem-vindos nos funerais de veteranos nazistas, por exemplo. Aqui, os nazistas disfarçados de homens da SS deram os comandos para disparar a saraivada de honra em alemão. Essa visão decididamente nacional-socialista da história, com que o Svoboda e outras organizações nazistas tomaram as ruas de Kiev em 1º de janeiro de 2014, ilustra não apenas a divisão socioeconômica, mas também cultural da Ucrânia em um Leste de língua russa e um Oeste falando ucraniano. Os atores e organizações da colaboração de guerra fascista ucraniana com a Alemanha nazista, reverenciados no Ocidente, são vistos como uma gangue de criminosos nazistas e traidores no Leste e no Sul da Ucrânia.

Essa divisão também foi expressa na história política oficial do Estado. Enquanto no Ocidente [da Ucrânia] a divisão ucraniana da SS “Galicia” estava sendo reabilitada e novos monumentos estavam sendo erguidos ao colaborador nazista Bandera, do presidente Yanukovych, que foi deposto em 2014 e cujo eleitorado foi recrutado no Leste da Ucrânia, revogou o título de “Herói da Ucrânia” concedido a Bandera por seu antecessor Yushchenko. A ideologia histórica extremista de direita de estilizar Bandera e a OUN (Organization of Ukrainian Nationalists) como “heróis populares” só foi popularizada em todo o país após o golpe de 2013, na esteira da emergente hegemonia da direita no discurso histórico ucraniano. A OUN se viu brevemente em oposição inconsequente à ocupação alemã depois que Bandera foi preso após a declaração unilateral da independência da Ucrânia. Ele morou em Munique depois da guerra. 44

Essa hegemonia histórico-política da extrema direita após 2013 formou mais um artefato explosivo no interior da Ucrânia, já que a ideia de transformar colaboradores nazistas em ícones nacionais é inaceitável no Leste e no Sul da Ucrânia. É por isso que os símbolos da União Soviética são usados com tanta frequência na atual guerra. Não são expressão de uma orientação política, mas de uma identidade russófila. Para o especialista em extremismo Andreas Umland, especialista na Europa Oriental, o extremismo de direita ucraniano com os símbolos e ideias propagados ofensivamente da “Organização dos Nacionalistas Ucranianos” representam até mesmo um movimento “implicitamente separatista”,45 já que essa visão da história mina a formação de uma consciência histórica pan-ucraniana. Adorar as organizações e líderes do nacionalismo de guerra ucraniano seria visto como “inapropriado e até ofensivo” no Sul ou no Leste – apesar dos ressentimentos xenófobos e racistas existentes, assim Umland disse no final de 2013 em antecipação à próxima guerra civil.

A ampla rejeição do fascismo ucraniano no Leste e Sul da Ucrânia, onde a vitória da União Soviética sobre a Alemanha nazista permanece central para a identidade russófila regional, poderia também ser facilmente explorada pela intervenção da Rússia como a “Grande Guerra Patriótica” e – ao lado do czarismo reacionário e do imperialismo absoluto – desempenhou um papel central nos esforços acima mencionados do Kremlin para desenvolver uma nova identidade nacional na Rússia. Não só o Ocidente contribuiu para a eclosão da guerra civil, não hesitando em recorrer às milícias nazistas no “Grande Jogo” imperialista sobre a Ucrânia, mas também a Rússia, que atuou como uma potência imperialista clássica – ocupando e anexando a Crimeia em resposta ao golpe de março de 2014 em Kiev.

Esta anexação imperialista clássica – mesmo que tenha sido bem recebida pela maioria da população da Crimeia – não apenas representou uma clara violação do Direito internacional, mas também alimentou o moinho dos extremistas de direita ucranianos, que viram confirmado seu ódio fanático à Rússia. A espiral de escalada iniciada com o Euromaidan continuou a girar, a extrema direita da Ucrânia agiu em reação à anexação russa da Crimeia – e eles fizeram isso em sua tradição de assassinato em massa em 2 de maio de 2014 em Odessa.46 Nas semanas anteriores, ativistas pró-Rússia se reuniram na cidade portuária russófila no Mar Negro numa espécie de contra-Euromaidan para se manifestar contra a derrubada do governo Yanukovych, o revisionismo histórico ucraniano extremista de direita e a integração da Ucrânia com o Ocidente . Os extremistas de direita reunidos do Oeste da Ucrânia esmagaram esse protesto em 2 de maio em um excesso de violência semelhante a um pogrom, matando dezenas de manifestantes. É, portanto, evidente que a extrema direita ucraniana desempenhou um papel de liderança não apenas na derrubada do governo pró-Rússia democraticamente eleito, mas também na escalada militar que se seguiu que levou à guerra civil.

Este pogrom fascista em Odessa – que a mídia ocidental normalmente gosta de minimizar como uma “tragédia” ou “desastre de incêndio” – foi o farol para uma guerra civil aberta na Ucrânia. Diferente do que aconteceu na Crimeia, inicialmente não houve intervenção russa coordenada pelo Estado em Donbass, Kharkov e Lugansk. O movimento separatista surgiu espontaneamente, com apoio esporádico de russos, às vezes de oficiais do aparato estatal russo. Somente quando as milícias e unidades militares ucranianas continuaram a empurrar os separatistas da Ucrânia Oriental durante o curso da guerra civil e as forças pró-Rússia estavam à beira da derrota, os militares russos intervieram no verão de 2014 para estabilizar a frente de Donetsk e transformar a guerra civil em um conflito estatal “congelado” interrompido por combates esporádicos. Essa linha de frente “congelada” durou até 2022 – repetidamente interrompida por breves operações de combate. Aliás, é uma estratégia comum do Kremlin manter estagnados tais conflitos não resolvidos – por exemplo, na Transnístria ou na Ossétia do Sul -, já que eles podem escalar novamente se a oportunidade se adequar aos cálculos imperiais russos.

A guerra civil, que na verdade foi trazida de fora, na forma de intervenção ocidental e anexação russa, para o país já social e economicamente despedaçado, andou de mãos dadas com violações em massa dos direitos humanos. A tortura não era praticada apenas pelos separatistas pró-Rússia, como a mídia alemã estava feliz em relatar,47 mas também pelas forças ucranianas, nas quais as fronteiras entre a autoridade do Estado e as milícias extremistas de direita eram fluidas, como mostram os testemunhos. A população civil do Leste48 da Ucrânia, que depois de 2013 em Kiev foi cada vez mais percebida como atrasada e inferior devido à hegemonia emergente da direita,49 viu-se encurralada entre as frentes de uma guerra civil, como em tantas outras “guerras de desnacionalização” (Robert Kurz) na periferia ou semiperiferia do sistema mundial. A Anistia Internacional acusou ambas as partes do conflito de recorrerem em massa à tortura,50 a ONU estima entre 7.900 e 8.700 casos, pelos quais separatistas e forças governamentais são praticamente igualmente responsáveis. Cerca de 14.000 pessoas foram mortas na guerra.51 Do lado ucraniano, as milícias nazistas e o serviço secreto ucraniano em particular teriam recorrido à tortura e, às vezes, cidadãos ucranianos simplesmente ameaçavam ativistas pró-Rússia de que seriam entregues a grupos de extrema direita, como o “Setor Direita”.

Certamente seria um erro ver a Ucrânia do século 21 como um mero objeto de uma luta externa pelo poder imperial. Antes de 2013, a oligarquia ucraniana manobrou durante anos entre o Oriente e o Ocidente, explorando precisamente as tensões imperialistas existentes entre Oriente e Ocidente para retardar perdas de soberania, mas diante da crise econômica e da dívida descrita em 2013, Yanukovych teve que optar pela integração no sistema de aliança ocidental ou russo para ser salvo da falência do Estado em troca da renúncia parcial da soberania do Estado por meio de empréstimos, preços de energia reduzidos, acesso ao mercado etc.

Em 2014, o mais tardar, a Ucrânia tornou-se claramente o cenário de uma luta de poder neo-imperialista entre o Ocidente e a Rússia, que não poderia ficar sem consequências para a estrutura oligárquica do fraco aparato estatal ucraniano. A “selvageria” gradual do Estado ucraniano, que era um meio de poder e uma fonte de abastecimento para redes oligárquicas concorrentes, acelerou-se com a eclosão da guerra civil e da intervenção militar. A tendência da crise à desnacionalização e ao colapso dos aparelhos estatais – tendência já existente em grande parte da periferia do sistema capitalista mundial – tem sido desde 2013/14 claramente evidente na Ucrânia. Às vezes, a maior parte dos ganhos dos funcionários do governo vem de subornos ou “taxas” arbitrárias e ganhos de proteção [miliciana]. Como dito: essa instabilidade do Estado, despedaçado por intermináveis lutas oligárquicas, é também um dos pré-requisitos que, em primeiro lugar, tornaram possível a intervenção externa na Ucrânia. A Ucrânia poderia assim – o mais tardar com o progresso da guerra que eclodiu em 2022 – se transformar em um “estado falido” no interior do qual vários grupos e tropas oligárquicas realizam suas lutas pelo poder.

Essa circunstância também explica por que as estruturas formais do aparato de segurança ucraniano em 2014 cederam tão rapidamente à formação de milícias extremistas de direita em muitos lugares: muitos policiais e oficiais estavam concentrados em arrecadar dinheiro da maneira mais eficaz possível nos postos que haviam “tomado” – a eclosão da crise, a necessidade de um conflito militar com as milícias simplesmente sobrecarregaram esses “funcionários públicos” (conclusões semelhantes podem ser tiradas do desempenho do exército russo no início da guerra em 2022).

Inicialmente, o sistema oligárquico na Ucrânia passou por uma transformação “militar” causada pela crise e pela guerra, que ainda hoje é rudimentar. Em geral, durante a fase quente do conflito em 2014, os oligarcas ucranianos foram considerados os mais importantes patrocinadores do sistema desenfreado de milícia e da resultante militarização da política interna na Ucrânia. Já não bastava comprar partidos e políticos. Todo oligarca que se preze financiou uma milícia.

O exemplo mais proeminente disso é o oligarca ucraniano oriental Rinat Akhmetov, o homem mais rico da Ucrânia, cujo conglomerado industrial estava sediado no Donbass. Akhmetov se opôs aos separatistas e apoiou o governo central. Cerca de 300.000 assalariados trabalhavam no conglomerado industrial de Akhmetov. Ainda em meados de 2014, Akhmetov tentou em vão mobilizar “seus” trabalhadores para combater os separatistas da Ucrânia Oriental em comícios e marchas. Agora, o antigo “Rei do Donbass” tem que residir no exílio em Kiev. Akhmetov então financiou uma milícia como [o fez] a movimentada Julia Tymoshenko.

Ao lado de Akhmetov e do “rei do chocolate” Petro Poroshenko, que foi eleito presidente em 2014 e que, convenientemente, também possui um grupo de mídia que inclui emissoras de TV e rádio, o oligarca Igor Kolomoisky desempenhou um papel central na luta de Kiev contra os movimentos de independência no Leste da Ucrânia. Já em março de 2014, Kolomoisky foi nomeado governador da oblast [província, região] ucraniana oriental de Dnipropetrovsk pelo presidente interino ucraniano Oleksandr Turchynov, a fim de avançar com a segurança militar desta região industrial através da criação do “Batalhão Dnipr” – a sua milícia. “Os salários que variam de US$ 1.000 para soldados a US$ 5.000 para um comandante tornam o serviço atraente”, disse um funcionário do governo à mídia ucraniana. Tendo em vista o empobrecimento e o desemprego causados pela crise, que também deu origem a uma geração de assalariados economicamente supérfluos na Ucrânia, tais ofertas eram muito atraentes para muitos jovens. Kolomoisky, como mencionado anteriormente, também construiu o presidente da Ucrânia, Zelensky, que começou sua carreira em um dos canais de TV do oligarca.

A “revolução” pró-ocidental do Euromaidan, que supostamente queria romper com a corrupção e o domínio oligárquico, acabou levando apenas à sua brutalização e militarização, na esteira da qual o Estado ucraniano ameaçou se dissolver. À medida que os oligarcas começaram a assumir características de senhores da guerra, a atividade das milícias no Leste ganhou vida própria. O grande número de grupos ucranianos extremistas e nacionalistas de direita, que desde a primavera de 2014 muitas vezes lutaram sozinhos em Donbass e Lugansk, tornou a ação coordenada contra os separatistas mais difícil – especialmente porque o moral e a eficácia de combate das forças armadas ucranianas eram muito baixos na época. O que fazer? A solução de Kiev foi integrar esses combatentes extremistas de direita e, no caso do batalhão nazista Azov, unidades inteiras nas forças armadas ucranianas. Até hoje, essas formações extremistas de direita permaneceram parcialmente intactas em sua estrutura organizacional, às vezes sendo simplesmente formalmente incorporadas ao aparato militar ucraniano. O mesmo se aplica ao aparato policial: a “Milícia Nacional”, que foi criada por nazistas organizados, serve como força auxiliar para as forças policiais.52 E os oligarcas da Ucrânia continuam a financiar diretamente essas “forças armadas” – Akhmetov, por exemplo, é considerado um dos maiores doadores do exército ucraniano.

A desintegração do Estado na Ucrânia, que variou durante o curso da guerra civil, foi assim formalmente branqueada pela integração desses subprodutos da extrema direita no Estado. Com o declínio dos combates no Leste e a integração formal de muitas formações nazistas no aparato estatal ucraniano (os nazistas do batalhão Azov receberam uma propriedade representativa no coração de Kiev com a chamada Casa dos Cossacos),53 alguma normalização parecia estar retornando à Ucrânia por volta de 2016, apesar do conflito congelado no Leste. As milícias de extrema direita agora pelo menos usavam uniformes ucranianos e eram formalmente subordinadas ao Estado. A passagem para a UE abriu o mercado de trabalho europeu para muitos assalariados, o que, segundo eles, contribuiu para a estabilização social do país enquanto a economia deficitária global, que foi mantida pela impressão de dinheiro dos bancos centrais em a UE e os EUA,54 não entraram em colapso.

Além disso, a partir de 2014, a UE começou a integrar economicamente a Ucrânia em sua esfera de influência, o que andou de mãos dadas com a terceirização de etapas de produção intensiva em mão de obra para o país de baixos salários da Europa Oriental. A indústria automobilística alemã começou a transformar a Ucrânia em um “banco de trabalho terceirizado” – semelhante à Polônia e Hungria após 2004.55 Além disso, como um novo Estado da linha de frente ocidental no “quintal” imperial da Rússia, o país pôde já mencionados contam o FMI.56 Como resultado, os partidos do movimento extremista de direita, que pensavam estar em ascensão por volta de 2013/14, sofreram uma perda de importância política nesta fase de estabilização precária da Ucrânia, que é dependente da economia deficitária ocidental, ao mesmo tempo em que a ideologia de direita, especialmente na política histórica, tornou-se hegemônica. Em um sentido de consciência, os grupos extremistas de direita tornaram-se “supérfluos” depois que grande parte de sua ideologia se transformou em razão de Estado e a hegemonia de direita foi estabelecida em muitos discursos.

Na véspera da guerra

O tempo estava se esgotando para a Rússia, pois a integração ocidental da Ucrânia, o país que Moscou considera a parte mais importante da esfera de influência pós-soviética, ameaçava se tornar irreversível. A anexação russa da Crimeia e a guerra civil que se seguiu no Leste tiveram outra consequência para a política interna ucraniana: o equilíbrio entre as forças nacionais e russófilas na Ucrânia não existe mais. A dicotomia política da Ucrânia em um Leste pró-russo e um Oeste nacionalista, que se manifestou desde a década de 1990 na correspondente transferência de poder entre os clãs oligárquicos ucranianos do Leste (Viktor Yanukovych) e pró-ocidentais (Viktor Yushchenko), foi resolvido unilateralmente em favor do nacionalismo ucraniano ocidental. Este é um trapo vermelho para o Kremlin, que contribuiu para esta mudança de frente intra-ucraniana através da anexação imperial da Crimeia. A destruição do equilíbrio intra-ucraniano pelos cálculos imperialistas de Putin [a anexação da Criméia] foi usada pelas forças nacionalistas para marginalizar e, finalmente, ilegalizar todo o espectro político russófilo na Ucrânia.

A divisão do cenário político na Ucrânia em forças orientais e nacionais foi unilateralmente encerrada em favor do nacionalismo mesmo antes da eclosão da guerra em fevereiro de 2022. Consequentemente, Moscou se viu roubada de sua influência não militar na Ucrânia depois que o líder da oposição ucraniana pró-Rússia Viktor Medvedchuk, um confidente próximo de Putin, foi preso em 2021 por “traição” e três canais de televisão em russo foram banidos. Ativistas do maior partido de oposição pró-Rússia foram atacados por nazistas ucranianos no Leste do país, e a atividade política normal dificilmente estava possível para eles.57

Significativamente, as aspirações autoritárias e nacionalistas na Ucrânia sob o presidente Zelensky passaram amplamente despercebidas no Ocidente, enquanto em Moscou se espalhava o sentimento de que a Ucrânia estava finalmente saindo da esfera de influência russa: economicamente, através da integração na UE, politicamente, através da repressão contra as forças pró-russas. As disputas em torno da adesão da Ucrânia à OTAN foram, por assim dizer, o momento final do afastamento da Ucrânia, que Moscou considerava uma parte central da esfera de influência da Rússia no espaço pós-soviético.

O Ocidente não estava mais disposto a tolerar a esfera de influência da Rússia no espaço pós-soviético, enquanto a UE e a OTAN se preparavam para estabelecer permanentemente sua influência ali, onde antes apenas unidades blindadas alemãs podiam avançar em curto prazo. O Ocidente não queria mais conceder precisamente essa clássica “zona de influência”, como a reivindicada pelos EUA no hemisfério ocidental, ou pela República Federal da Alemanha no Centro-Leste e Sudeste da Europa.58. Para Berlim ou Washington, Moscou não era mais uma grande potência igual. Durante os meses de negociações que antecederam a guerra, nem Washington nem Berlim quiseram descartar a futura adesão da Ucrânia à OTAN. Eles sinalizaram claramente a Kiev sua disposição de leva-la para a OTAN – mas, ao mesmo tempo, o Ocidente descartou a intervenção militar direta no conflito que estava claramente emergindo. A vontade da OTAN de expandir-se no espaço pós-soviético foi assim assinalada a Moscou e Kiev, sem qualquer garantia de assistência a Kiev em caso de conflito daí resultante.

A este respeito, pode-se afirmar claramente a cumplicidade do Ocidente na guerra. Se isso foi um erro de cálculo ou se o conflito foi deliberadamente provocado para deixar a Rússia “sangrar branca” na Ucrânia, como sugere a rápida e massiva ajuda militar, continua sendo especulação por enquanto. A Rússia está, portanto, claramente travando uma guerra imperialista de agressão na Ucrânia, mas certamente pode ser descrita como uma guerra de agressão “provocada”, já que o Ocidente não tomou medidas sérias para atender às demandas russas pelos compromissos de neutralidade da Ucrânia.59 Putin teria atacado a Ucrânia apesar de tais promessas de neutralidade? Nós nunca saberemos.

Ao mesmo tempo, a integração das forças extremistas de direita no aparelho de Estado ucraniano60 e o seu destacamento na guerra civil revelaram-se uma faca de dois gumes, uma vez que forneceram e continuam a fornecer de longe as formações de combate mais poderosas, mas ao mesmo tempo, mantiveram um alto grau de autonomia. As forças anômicas desencadeadas pela crise de 2013/14 continuam a ter efeito apesar de seu envolvimento no aparelho estatal, de modo que dificilmente pode formular uma política clara em áreas políticas decisivas. Mesmo antes da eclosão da guerra, nazistas vestidos com uniformes militares marchavam pelo quartel ucraniano, prometendo golpear os odiados “moscous” com facas e cantando diante do colaborador nazista Bandera como seu “pai”.61 Essas forças,62 que surgiram do movimento de milícias extremistas de direita e tiveram um papel de liderança no pogrom de Odessa em 2014, certamente têm influência e autonomia no aparato de segurança. Já em 2019, a Anistia Internacional alertou, citando os crescentes ataques fascistas no país, que o governo ucraniano não tinha mais as forças extremistas de direita, capazes de penetrar profundamente no aparato estatal ucraniano podre,63 sob controle.64

O mesmo vale para a política externa em relação à Rússia, que foi sabotada pelas milícias nazistas da Ucrânia – a extrema direita da Ucrânia é intransigente quando se trata de negociações de paz com Moscou. Zelensky iniciou a campanha eleitoral com a promessa de combater a corrupção e iniciar um processo de paz. E durante uma visita ao front no Leste da Ucrânia em outubro de 2019, o presidente realmente tentou persuadir as milícias ali estacionadas a participar do processo de desmobilização acordado.65 A visita do presidente ao front terminou em uma troca verbal de golpes com os “veteranos” na frente, o que se seguiu foi uma tempestade de merda de direita nas redes sociais, críticas veementes de adversários políticos, ameaças de morte em massa contra Zelensky – e a capitulação do presidente às milícias de direita no Leste.66 Zelensky então repetiu os esforços de integração da era da guerra civil em direção à extrema direita. A culminação dessa tática de abraço foi certamente a concessão da mais alta ordem ucraniana “Herói da Ucrânia” a um neonazista do “Setor Direita”. Aliás, esta organização nazista foi oficialmente integrada às forças armadas ucranianas durante o curso da guerra, semelhante ao regimento Azov.67

Essa atitude de bloqueio por parte da direita ucraniana militarmente poderosa, que provavelmente dificultará as negociações futuras, coincidiu com o já mencionado curso de confronto geopolítico no espaço pós-soviético, alimentado pelos crescentes processos de crise socioeconômica. Isso fica evidente na decisão do Kremlin de lançar uma guerra de agressão, que equivale a uma fuga clássica da turbulência interna para a guerra. É evidente que a esfera de influência do Kremlin no espaço pós-soviético, que o Kremlin planeja transformar em um terceiro centro de poder geopolítico entre a UE e a China, está se erodindo rapidamente: no Cáucaso durante a guerra do Nagorno-Karabakh (outono 2020 ), durante a revolta na Bielorrússia (verão de 2020)68 e mais recentemente durante a sangrenta agitação no Cazaquistão (início de 2022), a estrutura de poder pós-soviética específica, da qual Vladimir Putin é o representante mais proeminente, parece estar sempre manifestando rachaduras mais claras. As reivindicações imperiais do Kremlin colidiram assim cada vez mais com uma realidade em que Moscou se encontra na defensiva geopolítica. Para o Kremlin, a deriva da Ucrânia para a órbita do Ocidente foi a gota d’água que quebrou as costas do camelo.

Mas o mesmo vale para o Ocidente, que treinou e construiu sistematicamente as forças armadas da Ucrânia, abertas à extrema direita, entre 2014 e 2022.69 Como mencionado, o Ocidente não estava mais disposto a aceitar as esferas de influência russas no espaço pós–soviético. Essa atitude expansiva, que colocou o Ocidente e o Oriente em um curso de confronto na região fronteiriça ucraniana, também é motivada pelas crescentes contradições causadas pela crise. A República Federal da Alemanha especulou sobre a conexão periférica da Ucrânia com a UE como um “banco de trabalho terceirizado” e como produtora de hidrogênio,70 mas para os EUA a guerra na Ucrânia é um campo de batalha da luta contra a Eurásia brevemente descrita acima. Washington está lutando efetivamente para manter a hegemonia, especificamente a posição do dólar americano como a principal moeda do mundo, que até recentemente permitia ao governo dos EUA acumular gigantescos déficits orçamentários e dívidas através da impressão de dinheiro do Fed sem afundar na inflação – é o caso na Turquia, por exemplo. A inflação, que já estava acelerando antes da guerra, sugere que isso não é mais possível,71 o que também está seduzindo Washington a assumir riscos geopolíticos e militares cada vez maiores – incluindo um confronto com a potência nuclear Rússia na Ucrânia.

De qualquer forma, a extrema direita ucraniana – cujas unidades de combate são de longe as mais poderosas na guerra atual – está ciente de que está sendo apoiada pelo Ocidente simplesmente porque atualmente atende a seus interesses. Na lógica usual do Talibã, que é desenfreado em processos de decadência social, seus líderes simplesmente esperam que eles tomem o assunto em suas próprias mãos à medida que a guerra progrida e implementem seus sonhos ideológicos febris.72 A este respeito, a guerra na Ucrânia poderia continuar mesmo quando tenha fim formal a atual guerra imperialista por procuração.

Notas

1 https://www.nytimes.com/2022/02/21/world/europe/putin-ukraine.html

2 https://twitter.com/tkonicz/status/1523674358040129536

3 https://www.heise.de/tp/features/Sehnsucht-nach-dem-Starken-Mann-3367018.html?seite=all

4 https://www.cambridge.org/core/books/invention-of-tradition/B9973971357795DC86BE856F321C34B3

5 Mais sobre a barreira ecológica do capital: https://www.mandelbaum.at/buch.php?id=962

6 Kurz Robert, O colapso da modernização. Do colapso do socialismo de quartel à crise da economia mundial”, Leipzig, 1994, p. 109/110.

7 https://www.tagesspiegel.de/themen/reportage/wahl-in-der-ukraine-die-suessen-versprechen-des-schokoladenkoenigs/9942276.html

8 https://orf.at/stories/3268565/

9 https://www.sueddeutsche.de/politik/kolomoisky-praesidentschaftswahl-in-der-ukraine-selensky-1.4418172

10 https://www.osw.waw.pl/pl/publikacje/komentarze-osw/2021-12-22/zelenski-vs-achmetow-proba-sil

11 http://www.konicz.info/?p=4896

12 https://www.ilo.org/public/english/protection/ses/info/database/ukraine.htm

13 https://www.researchgate.net/figure/Ukraine-GDP-growth-1991-2013-1990-100_fig24_311666170

14 Veja também: Tomasz Konicz, Quintal da Europa em Crise, em: EXIT! 8: Crise e crítica da sociedade mercantil, agosto de 2011, Horlemann Verlag, 2011.

15 https://www.ceicdata.com/en/indicator/ukraine/household-debt–of-nominal-gdp

16 http://www.konicz.info/?p=1089, http://www.konicz.info/?p=1009

17 https://tradingeconomics.com/ukraine/current-account-to-gdp

18 https://tradingeconomics.com/spain/current-account

19 https://www.imf.org/en/News/Articles/2015/09/14/01/49/pr10305#P18_377

20 https://en.interfax.com.ua/news/general/183061.html

21 https://www.nytimes.com/2013/11/23/world/europe/ukraine-blames-imf-for-collapse-of-accord-with-european-union.html

22 https://www.ft.com/content/737e3bd8-b587-11e3-81cb-00144feabdc0

23 https://www.cnbc.com/2014/05/01/ukraine-gets-17bn-bailout-russian-risks-remain.html

24 https://www.heise.de/tp/features/Ukraine-am-Abgrund-3364077.html

25 https://www.heise.de/tp/features/Die-Ukraine-als-Griechenland-des-Ostens-3364295.html?seite=all

26 https://www.heise.de/tp/features/Belarus-in-der-Sackgasse-4876428.html

27 https://www.heise.de/tp/features/Ukrainisches-Great-Game-3364163.html

28 https://www.wienerzeitung.at/meinung/leitartikel/612424_Russlands-EU.html

29 https://www.heise.de/tp/features/Willkommen-in-der-Postdemokratie-3374458.html?seite=all

30 https://voxeurop.eu/de/merkel-macht-klitschko-fit-gegen-putin/

31 https://www.bbc.com/news/world-europe-26079957

32 https://de.statista.com/infografik/1944/importe-und-exporte-der-ukraine/

33 https://www.spiegel.de/politik/deutschland/zuwanderung-2017-kamen-mehr-migranten-aus-der-ukraine-als-aus-syrien-in-die-eu-a-1235150.html

34 https://laender-analysen.de/polen-analysen/250/polen-vom-auswanderungsland-zum-einwanderungsland/

35 https://www.youtube.com/watch?v=u7tFRvWcs5c

36 https://www.spiegel.de/politik/ausland/protest-in-der-ukraine-klitschkos-gefaehrlichste-runde-a-945369.html

37 https://www.bbc.com/news/world-europe-25826238

38 https://www.rferl.org/a/ukraine-kyiv-protests-guerrilla-war/25238878.html

39 https://www.thenation.com/article/archive/ukrainian-nationalism-heart-euromaidan/

40 https://www.dw.com/de/zwischen-hoffen-und-bangen-in-kiew/a-17448315

41 https://www.timesofisrael.com/ukraine-divided-over-legacy-of-nazi-fighters/

42 https://twitter.com/DaniMayakovski/status/1497682826992529412

43 https://eu.usatoday.com/story/news/world/2014/01/01/ukraine-bandera/4279897/

44 https://www.dw.com/de/stepan-bandera-ukrainischer-held-oder-nazi-kollaborateur/a-61839689

45 https://www.kyivpost.com/article/opinion/op-ed/how-spread-of-banderite-slogans-and-symbols-undermines-ukrainian-nation-building-334389.html

46 https://www.lto.de/recht/hintergruende/h/2014-odessa-42-tote-buergerkreig-brand-ukraine-russland-un-europarat-ermittlungen-emrk/

47 https://www.faz.net/aktuell/politik/ausland/un-bericht-ueber-folter-durch-separatisten-in-der-ostukraine-16680423.html

48 https://www.osce.org/files/f/documents/e/7/233896.pdf

49 https://www.bpb.de/themen/europa/ukraine/317979/analyse-die-ukrainische-literatur-zum-krieg-im-donbas/

50 https://www.amnesty.nl/actueel/ukraine-torture-and-secret-detention-on-both-sides-of-the-conflict-line

51 https://www.pbs.org/newshour/world/un-documents-prisoners-torture-abuse-in-ukrainian-conflict

52 https://www.theguardian.com/world/2018/mar/13/ukraine-far-right-national-militia-takes-law-into-own-hands-neo-nazi-links

53 https://www.haaretz.com/world-news/europe/2019-02-23/ty-article/.premium/inside-the-extremist-group-that-dreams-of-ruling-ukraine/0000017f- e191-d568-ad7f-f3fb4be40000

54 https://lowerclassmag.com/2021/04/13/oekonomie-im-zuckerrausch-weltfinanzsystem-in-einer-gigantischen-liquiditaetsblase/

55 https://www.blick.ch/auto/news_n_trends/wegen-ukraine-krieg-sind-produktion-und-lieferung-blockiert-darum-stuerzen-kabel-die-autobranche-in-die-krise-id17520281.html

56 https://www.gtai.de/de/trade/ukraine/wirtschaftsumfeld/iwf-genehmigt-beistandsprogramm-fuer-ukraine-260408

57 https://twitter.com/Russ_Warrior/status/1299040499937021952

58 https://www.heise.de/tp/features/Willkommen-in-der-Postdemokratie-3374458.html?seite=all

59 https://www.msnbc.com/opinion/msnbc-opinion/russia-s-ukraine-invasion-may-have-been-preventable-n1290831

60 https://www.illiberalism.org/far-right-group-made-its-home-in-ukraines-major-western-military-training-hub/

61 https://twitter.com/DaniMayakovski/status/1497695668323991554

62 https://unherd.com/2022/03/the-truth-about-ukraines-nazi-militias/

63 https://www.illiberalism.org/far-right-group-made-its-home-in-ukraines-major-western-military-training-hub/

64 https://www.amnesty.de/informieren/amnesty-journal/ukraine-regierung-hat-rechtsextreme-nicht-unter-kontrolle

65 https://www.kyivpost.com/ukraine-politics/im-not-a-loser-zelensky-clashes-with-veterans-over-donbas-disengagement.html

66 https://consortiumnews.com/2022/03/04/how-zelensky-made-peace-with-neo-nazis/

67 https://twitter.com/tkonicz/status/1499066235094458381

68 https://www.heise.de/tp/features/Belarus-in-der-Sackgasse-4876428.html

69 https://www.latimes.com/opinion/story/2022-02-25/ukraine-cia-insurgents-russia-invasion

70 https://www.energate-messenger.de/news/219313/deutschland-eroeffnet-wasserstoffbuero-in-kiew

71 https://www.untergrund-blättle.ch/wirtschaft/theorie/stagflation-inflationrate-6794.html

72 https://www.youtube.com/watch?v=DOBntnuYCMA

Publicado originariamente na segunda-feira, 20 de junho de 2022 às 07h29 em: https://www.konicz.info/?p=4910. Tradução de Esmeraldo Azevedo.

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.