Últimas publicações

TERIA GLAUBER ROCHA VIRADO MAIS UM BEM CULTURAL?

Davi Galhardo
Doutorando em filosofia pela PUC-Rio

A coluna “Ilustríssima”, do jornal Folha de São Paulo de 22 de agosto de 2021, amanheceu com um texto cuja pretensão visava homenagear a memória de Glauber Rocha, em virtude do quadragésimo aniversário de seu falecimento. Trata-se do escrito intitulado “Glauber Rocha, morto há 40 anos, influenciou e brigou com gigantes do cinema”, de Claudio Leal, jornalista e mestre em teoria e história do cinema pela USP. Ocorre, no entanto, que o elogio pretendido reproduz os fundamentos daquilo que o baiano passou a vida a enfrentar.

“Glauber Rocha, que morreu há 40 anos, teve forte influência no cinema internacional, fato raro para artistas de países periféricos. Manteve diálogo profícuo com grandes nomes do meio cinematográfico, como Visconti, Rossellini e Buñuel, e influenciou cineastas de diferentes gerações, de Godard, passando por Scorsese, a Bong Joon-ho”, diz o resumo do escrito. De fato, o Glauber apresentado por Leal é um andarilho da cultura, estabelecendo e desmanchando relações pessoais com figuras de proa do cinema mundial. Sempre atento, esse Glauber seria, portanto, alguém que soube extrair de seus pares muitos elementos importantes para sua própria obra. De igual modo, ainda segundo Leal, ele também se tornou figura paradigmática para Bong Joon-ho e tantos outros diretores da sétima arte mais contemporânea.

A pergunta que fica, no entanto, é: o que sobrou de tudo isso? O que resta da teoria e da prática desenvolvidas por Glauber? Sobre isso, a interpretação de Leal silencia completamente. Explico-me: em sua análise fundamentalmente colonizada, o colunista da Folha perde de vista as relações indissociáveis de Glauber com as questões brasileiras, com as questões sociais, com a luta política, com a cultura brasileira e latino-americana. Leal limita-se a apresentar-nos um Glauber completamente subserviente ao “primeiro mundo”. Em sua perspectiva, essa personagem histórica foi importante por ter influenciado Godard, Scorsese etc., e não por suas próprias posições teórico-práticas. Aqui, temos o eterno retorno do discurso colonialista. É por ter servido adequadamente à cultura dominante que Glauber seria digno de méritos. É por ter dado combustível a “alta cultura” que ele mesmo pode agora tornar-se mais uma presa abatida pela ordem dominante. Positivamente, seu assento estaria agora garantido nos museus da cultura, isto é, nos manuais de história do cinema. Em suma, essa coluna baliza o trabalho de Glauber a partir da ótica do primeiro mundo, transformando-o em mais um bem cultural – situação que não pode ser vista por nós, seus contemporâneos, sem horror.

Certamente, a coluna em pauta é muito bem informada. O jornalista em questão demonstra com maestria que ele mesmo é um colunista social bem informado. Bem informado, porém, não ultrapassando a dimensão de um colunista social que não compreendeu o trabalho do negativo.

O que é imperialismo de crise?

Tomasz Konicz konicz.info, 23.06.2022 Este é o sexto artigo de Tomasz Konicz traduzido e publicado em A Comuna. Anteriormente, disponibilizamos para nossos leitores A América em revolta, Desfile de milícias, Apitar na floresta moribunda, China e a impossibilidade da modernização para recuperar o atraso e, na semana passada, Dividida entre Leste e Oeste. Neste último […]

Dividida entre Leste e Oeste

fonte:https://www.konicz.info/?p=491 Tomasz Konicz konicz.info, 20.06.2022 Breve panorama histórico do caminho para a guerra da Ucrânia no contexto da crise mundial do capital No início da guerra pela Ucrânia, quando o choque da megalomania do Kremlin estava apenas começando a se desenrolar, Vladimir Putin perturbou o público ocidental carente de história com palestras bizarras de história […]

Brasil: o “paradoxo” de uma economia estagnada com lucros crescentes

(Resposta: a ofensiva burguesa e o aumento da exploração da classe trabalhadora) Cem Flores – Junho de 2022 Na semana passada, o IBGE divulgou o crescimento brasileiro no primeiro trimestre, 1%, abaixo das expectativas. As projeções para o restante do ano vão nessa mesma toada estagnada. Em meados de abril o FMI atualizou suas projeções para 0,8%. A FGV mantém 0,7%. Os […]

NOTA SOBRE O ASSASSINATO DE BRUNO PEREIRA E DOMINIC PHILLIPS

NOTA SOBRE O ASSASSINATO DE BRUNO PEREIRA E DOMINIC PHILLIPSA União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (UNIVAJA), movimento indígena representativo dos povos que habitam na Terra Indígena Vale do Javari – Marubo, Matis, Matsés, Kanamari, Korubo, Tsohom-dyapa e povos indígenas isolados – vem a público se manifestar sobre o assassinato do indigenista brasileiro […]

Resistir à violência do Estado implica num projeto de defesa da vida e de uma humanidade

Urbano Nobre Nojosa O filosofo alemão Arthur Schopenhauer em seu livro “como vencer um debate sem ter razão” nos alerta na estratégia 32: “cole um sentido ruim na alegação do outro”. Nesse estrategema quando formos confrontados por uma argumentação do oponente, devemos seguir um caminho mais curto para torná-la suspeita, colocando-a numa categoria odiosa, por […]

Os últimos combates de Rosa Fonseca

Minhas tendências líricas, orientadas pela sensibilidade benjaminiana, gostariam de incluir Rosa na tradição de vencidos, mas um alerta de Ailton Krenak me tira desse rumo. Diz ele que o encontro dos indígenas com o colonizador continua ainda a acontecer, seja porque, de fato, há nações e grupos indígenas que ainda experimentam seus primeiros contatos com […]

Menos Trigo E Mais Canhão (Notas Marginais Acerca Da Estagflação E Guerra Mundial)

por José Martins, da redação. A crise econômica global dá a dimensão e o ritmo da guerra mundial. A deflação (ou desvalorização) do capital determina a dinâmica da guerra. Deflação do capital travestida de corrosiva inflação global dos preços, desabastecimento de bens de primeira necessidade e de fome para a população mundial. O desabastecimento e […]

Netflix: Banho De Sangue Em Wall Street

ESTE TEXTO FOI PUBLICADO ORIGINALMENTE no boletim Crítica da Economia por José Martins, da redação Quando a economia mundial entra neste raro acontecimento de uma crise geral, cada semana é uma semana histórica. E, na medida em que ela se aprofunda para valer em guerras e rebeliões sociais, quase todo dia é dia histórico. É […]

1* DE MAIO – Proletariado e internacionalismo

Quando Marx e Engels escreveram, ao fim do Manifesto de 1848, o chamado “Proletários de todos os países, unam-se!”, este não era um plano a ser realizado, mas já expressava uma experiência em ato. As revoluções do primeiro semestre de 1848 – a “primavera dos povos” – foram antecedidas por repressões em cada um dos […]

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.


Siga meu blog

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.