Últimas publicações

TERIA GLAUBER ROCHA VIRADO MAIS UM BEM CULTURAL?

Davi Galhardo
Doutorando em filosofia pela PUC-Rio

A coluna “Ilustríssima”, do jornal Folha de São Paulo de 22 de agosto de 2021, amanheceu com um texto cuja pretensão visava homenagear a memória de Glauber Rocha, em virtude do quadragésimo aniversário de seu falecimento. Trata-se do escrito intitulado “Glauber Rocha, morto há 40 anos, influenciou e brigou com gigantes do cinema”, de Claudio Leal, jornalista e mestre em teoria e história do cinema pela USP. Ocorre, no entanto, que o elogio pretendido reproduz os fundamentos daquilo que o baiano passou a vida a enfrentar.

“Glauber Rocha, que morreu há 40 anos, teve forte influência no cinema internacional, fato raro para artistas de países periféricos. Manteve diálogo profícuo com grandes nomes do meio cinematográfico, como Visconti, Rossellini e Buñuel, e influenciou cineastas de diferentes gerações, de Godard, passando por Scorsese, a Bong Joon-ho”, diz o resumo do escrito. De fato, o Glauber apresentado por Leal é um andarilho da cultura, estabelecendo e desmanchando relações pessoais com figuras de proa do cinema mundial. Sempre atento, esse Glauber seria, portanto, alguém que soube extrair de seus pares muitos elementos importantes para sua própria obra. De igual modo, ainda segundo Leal, ele também se tornou figura paradigmática para Bong Joon-ho e tantos outros diretores da sétima arte mais contemporânea.

A pergunta que fica, no entanto, é: o que sobrou de tudo isso? O que resta da teoria e da prática desenvolvidas por Glauber? Sobre isso, a interpretação de Leal silencia completamente. Explico-me: em sua análise fundamentalmente colonizada, o colunista da Folha perde de vista as relações indissociáveis de Glauber com as questões brasileiras, com as questões sociais, com a luta política, com a cultura brasileira e latino-americana. Leal limita-se a apresentar-nos um Glauber completamente subserviente ao “primeiro mundo”. Em sua perspectiva, essa personagem histórica foi importante por ter influenciado Godard, Scorsese etc., e não por suas próprias posições teórico-práticas. Aqui, temos o eterno retorno do discurso colonialista. É por ter servido adequadamente à cultura dominante que Glauber seria digno de méritos. É por ter dado combustível a “alta cultura” que ele mesmo pode agora tornar-se mais uma presa abatida pela ordem dominante. Positivamente, seu assento estaria agora garantido nos museus da cultura, isto é, nos manuais de história do cinema. Em suma, essa coluna baliza o trabalho de Glauber a partir da ótica do primeiro mundo, transformando-o em mais um bem cultural – situação que não pode ser vista por nós, seus contemporâneos, sem horror.

Certamente, a coluna em pauta é muito bem informada. O jornalista em questão demonstra com maestria que ele mesmo é um colunista social bem informado. Bem informado, porém, não ultrapassando a dimensão de um colunista social que não compreendeu o trabalho do negativo.

A greve na General Motors em São Caetano do Sul: o que uma experiência isolada traz de ensinamentos para o futuro da luta operária?

Fatos & Crítica nº 34 – Coletivo do CVM 16.12.2021 Uma greve isolada num contexto de retração das lutas coletivas pode trazer ensinamentos de alcance geral, uteis para o desenvolvimento futuro da luta da classe operária? Esta pergunta está implícita na greve dos metalúrgicos da General Motors em São Caetano do Sul, ocorrida entre 1 […]

Estagflação com novo patamar de exploração e miséria: a economia brasileira no final de 2021

Um catador de recicláveis e a grotesca imitação do touro americano na Bolsa de Valores de São Paulo. De um lado, exploração e miséria; de outro, lucro e especulação. Eis a economia capitalista, cujas contradições são agravadas, crise após crise. Coletivo CEM FLORES (em 17.12.2021) Na última divulgação do IBGE, o PIB estagnou (-0,1%) no 3º […]

Teria Glauber Rocha virado mais um bem cultural?

Davi Galhardo O Glauber apresentado por Leal é um andarilho da cultura, estabelecendo e desmanchando relações pessoais com figuras de proa do cinema mundial. A coluna “Ilustríssima”, do jornal Folha de São Paulo de 22 de agosto de 2021, amanheceu com um texto cuja pretensão visava homenagear a memória de Glauber Rocha, em virtude do […]

Os devaneios da esquerda com projetos nacionais

Euler Conrado Durante décadas, era comum ouvirmos de setores da esquerda uma crítica aos partidos comunistas ligados à então União Soviética de que essas organizações eram etapistas, ou seja, defendiam a revolução supostamente socialista por etapas. Era preciso, segundo o manual dos partidos comunistas, realizar primeiramente uma revolução nacional burguesa nos países ditos periféricos, para […]

Fechamento das escolas para evitar variante da Índia!

Elisângela Maria de Oliveira SousaDoutoranda PPG-Sociologia/UFC Elisângela Maria de Oliveira SousaDoutoranda PPG-Sociologia/UFC 452.224 histórias interrompidas, projetos cancelados, amores separados. A pandemia e a “crise” contemporânea impulsionaram o aumento de riquezas em descompasso com a distribuição per capita; a desvalorização da mão de obra à despeito da busca do lucro; a subjunção do trabalho ao Capital […]

O novo Oriente Médio

Fabio Sobral Os Estados Unidos se retiraram do Afeganistão após uma guerra de vinte anos. Uma derrota do poderio militar americano diante da inquebrantável guerrilha talibã. Uma derrota militar, com imensa perda de vidas, e uma derrota orçamentária, com gastos insustentáveis. Já Trump tinha identificado a impossibilidade de manter a sangria financeira nesta guerra. Biden […]

Lula quer uma Lava Jato histórica para chamar de sua

Emiliano Aquino Esse esforço revisionista sobre as Jornadas de Junho de 2013 pretende, no discurso social mais amplo, negar que houve luta de classes contra o governo do PT. Em agosto de 2017, Lula deu início a uma espécie de Operação Lava Jato 2: seu objetivo é mudar a história recente do país, tentando caracterizar […]

A luta de classes e a geopolítica

John Clarke Tradução: Sean Purdy “Como socialistas, nossa solidariedade deve ser com a classe trabalhadora internacional, não com governos ou Estados”. Os Estados Unidos são a potência hegemônica mundial, embora essa posição seja menos segura do que costumava ser. Ela domina e explora países em todo o planeta, impondo regimes fantoches onde pode e trabalhando […]

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.


Siga meu blog

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.