[EUA] As duas políticas: 2020 até agora

Joshua Clover

Este artigo foi publicado na página autoral de J. Clover na Verso em 16.07.2020. É a continuação direta do anterior, também publicado aqui, sobre o levante proletário multi-étnico no semestre passado nos EUA. Neste, Clover analisa a emergência de uma nova política, nascida e praticada nas jornadas de maio e junho, resultando na atual existência e confronto de duas políticas de esquerda nos EUA.

Estamos em campanha para inscrições em nossa revista. Quer saber como ajudar? Clique aqui!

O ano de 2020 proporcionou uma clareza praticamente laboratorial. Para a teoria política ou para a prática política real tem sido algo como um experimento natural que mede duas políticas frente ao mundo e uma frente à outra. Como nomear essas duas políticas, senão a eleição e a revolta? 

O ano de 2020 proporcionou uma clareza praticamente laboratorial para a política dos EUA. A pandemia em curso não é a causa imediata desse desdobramento, embora se possa argumentar que seu contexto impõe certos tipos de reduções ou focalizações. Como um fenômeno total, os efeitos agregados do novo coronavírus preenchem muito espaço, de modo que parece que resta eventualmente espaço para apenas uma ou outra história em certo momento. Talvez isso explique a clareza da sequência que vimos, mas não a própria sequência: os esforços em direção à transformação social da primeira abordagem e depois da outra, cada uma delas, por sua vez, desdobrando-se com algo como envolvimento total antes de ceder seu lugar. Para a teoria política ou para a prática política real, tem sido algo como um experimento natural que mede duas políticas frente ao mundo e uma frente à outra. 

Existem maneiras mais e menos complexas de narrar as duas políticas, embora haja poucas razões para se entregar a nuances excessivas. A narração brutalista é essa. De janeiro a abril, a política oficial foi dominada pela eleição presidencial, com exclusão de todas as outras histórias, o que significa, na maioria das vezes, as primária democratas e, em seguida, as respostas a ela pelo presidente que vive de postar de pronto respostas nas redes sociais (President Reply Guy). É comum observar que, especialmente nos EUA, as eleições presidenciais têm o poder de atrair todas as outras políticas para elas e talvez tenham isso como seu objetivo essencial, absorvendo o poder dos movimentos sociais com a promessa não cumprida até hoje de organizar suas energia e ampliar sua capacidade. Se alguém seguiu as notícias nacionais, a eleição eclipsou todas as outras histórias. Com efeito, não havia mais nada para conversar. Debates, entrevistas, exibições de dados, qualquer que seja a mensagem incorreta e sociopática que o presidente tenha emitido em resposta. À medida que a pandemia tomava parte do novo território, o domínio político das eleições aumentou ainda mais, pois permaneceu enquanto absolutamente todo o resto era espremido. Nada mais estava acontecendo e nada mais poderia acontecer. 

E então veio a revolta após o assassinato policial de George Floyd, ocorrendo na sequência de assassinatos de Breonna Taylor, Ahmaud Arbery e outros tantos pela polícia ou delegados de polícia. Desdobrando-se contra e na penumbra da pandemia, o levante nacional deslocou a cobertura das eleições rápida e totalmente. Aconteceu em dias, talvez horas, quando a nação girou de uma política para outra. No final de maio e junho, podia-se assistir notícias nacionais por dias, uma semana e não mencionar [os pré-candidatos democratas à Presidência dos EUA – AC] Joe Biden, muito menos Bernie Sanders ou Liz Warren (alguém ouviria periodicamente falar [da senadora democrata] Amy Klobuchar, mas apenas por causa de seu infeliz histórico como advogada no condado de Hennepin, onde Floyd foi morto). 

Como nomear essas duas políticas, se não a eleição e a revolta? 

Outras fórmulas certamente não foram propostas, talvez com o objetivo de ocultar essa clareza. O âncora da CNN Chris Cuomo fornece um exemplo útil. Noite após noite, de seu posto no canal nacional de notícias, em meio a um levante pelo qual ele dizia ter simpatia, articulou a diferença entre manifestantes que “fazem o caminho certo” e manifestantes que não. Essa diferença era, em sua narrativa, infantil em sua simplicidade. Mas não era a lição moral convencional sobre comportamento pacífico e violento. De fato, é nessa oposição que Cuomo se esforça para reconfigurar de acordo com uma distinção mais fundamental: 

Lembre-se, predominantemente, de protestos que chamamos de pacíficos. Eu realmente não concordo com a descrição, porque não acho que seja necessário. Pessoas que querem protestar neste país, não lhes cabe ser gentil com isso. Você pode ficar indignado. Você pode ficar com raiva. Você pode gritar. Você pode ter vergonha. Você pode culpar. Isso está ok. Esta é a América, você sabe? Protestar não precisa ser pacífico para ficar bem. (3 de junho)

Aqui a paz aparece como uma espécie de disposição e, no que diz respeito ao nosso apresentador, o discurso violento é ótimo. Sua estrutura operativa é anterior a isso. Por sua medida, aqueles que são atores legítimos se envolvem apenas em comunicação, enquanto aqueles que não o são, não. A categoria de comunicação é reconhecível e claramente marcada. Habita na linguagem. Sinais, canções, cantos, gritos, discursos, tudo de bom. A saída desse terreno da comunicação é clara e decisiva. Dirige-se imediatamente para saques, quebrando janelas, fazendo incêndio criminoso e atacando oficiais. Não há meio termo. Não há zona de indistinção. 

Aqueles que encontraram os prazeres da alta teoria saberão que grande parte de seu projeto intelectual tem sido diminuir essa distinção entre palavras e ação, desestabilizar, senão desqualificar, a prioridade que um materialismo histórico vulgar (que não quer dizer equivocado) dá a relações definidas, as quais afirmam sempre liderar enquanto o discurso segue. Para a teoria com T maiúsculo, o ato de fala e sua função performativa, a materialidade do significante, da hiperstição e de vários outros fenômenos descrevem e sustentam o colapso dessa oposição [entre discurso e ação] e a prioridade dada a um deles sobre o outro. 

Chris Cuomo não está tentando ouvir isso. E não é apenas ele quem acha que palavras e ações são claramente demarcadas e fornecem a distinção fundamental, mas também seus colegas no horário nobre, Don Lemon e Anderson Cooper, e as âncoras de outras redes, repórteres de cena, os prefeitos que eles entrevistam com frequência, os policiais de ponta incessantemente entrevistados. Apresentadores, políticos, policiais: eles podem discordar sobre vários assuntos, mas nisso são unívocos. A distinção não está sujeita a nenhuma inspeção séria, mas também não é casual. É a cunha fundamental usada para dividir uma nação rebelada. É essa divisão que Martin Luther King, Jr. procurou superar em sua famosa declaração de que “um motim é a linguagem do inédito” – uma frase que ironicamente se tornou uma espécie de besteira liberal destinada a afirmar que é a função comunicativa, mesmo dentro de um motim, que lhe garante legitimidade.

Fomos levados a reconhecer que simplesmente havia uma teoria política diferente na multidão. É uma teoria apenas porque é primeiro um conjunto de práticas. Poderíamos simplesmente dizer que eles forneceram o caráter singular de maio e junho na medida em que não são eleitorais.

Não pretendo aqui reabrir debates teóricos fragmentados sobre linguagem, materialismo, o fracasso de todos os binários, a crítica da ontologia, espectros, marcas. Quero apenas observar que, como a oposição entre palavras e ações se enfraqueceu no campo da teoria acadêmica, isso se fortaleceu na esfera pública administrada. Se é a teoria acadêmica ou a esfera pública a mais vulnerável à afirmação de ser pura ideologia, acho melhor suspender o julgamento. O que é crítico atualmente é que esse lugar-comum público, a Navalha de Cuomo, vamos chamá-lo assim, é antes de tudo um método para disciplinar populações indisciplinadas. Mas é também uma teoria da política, ou oferece duas teorias da política, e são as mesmas duas que vimos este ano. 

Apavorado com o levante proletário multi-étnico nos EUA, o arqui-reacionário Portal Agora Amazonas publicou no começo de junho essa foto, em um artigo cujo título já diz muito de seu caráter de mera propaganda política. Essa imagem nos comunica a fusão entre saque e festa, luta e alegria, não é? Contudo, embaixo da foto, o portal colocou a seguinte legenda racista: “EUA, onde o negro protesta e rouba ao mesmo tempo”. A explicação é outra: “Os saques [são] um fenômeno universal onde quer que o mercado seja o principal mecanismo de aquisição de bens necessários”, diz Joshua Clover neste artigo.

A afirmação de que a comunicação sustenta a verdade da política pressupõe, no final ou realmente no começo, uma estrutura eleitoral. É por isso que Cuomo faz parte de sua coorte excepcional e exemplar: filho e irmão dos governadores do Estado de Nova York, seu sentimento pela votação é genético. Para ele, e os milhões que aceitam a estrutura à qual ele está amarrado, todos os caminhos levam à cabine de votação. A política, nessa narrativa em que a comunicação é auto-aparente e primária, é uma questão de persuasão, de reunir políticas que podem se mover na mesma direção por tempo suficiente para que o arco da história se incline em direção à justiça. Linguagem é o que você faz e como ganha.

Além disso, a linguagem é algo interno, é o povo. Nos primeiros 10 dias de levantes, os quebradores de janelas e atiradores de garrafas, os saqueadores e os incendiários, foram considerados agitadores externos, como se os habitantes de todas as cidades do país soubessem que não deveriam exceder o domínio do idioma. Houve tentativas de racializar isso em murmúrios presidenciais (respeitosamente repetidos em vários quadrantes) sobre anarquistas brancos – uma tentativa patética de afastar a raiva negra e a mobilização negra. Também houve uma negação paralela da ameaça representada pela solidariedade multirracial e multiétnica. Essa racialização forma uma inversão da insistência tradicional de que os chamados “distúrbios raciais” partiram ou nunca entraram no campo da política e apenas expressam raiva indecente e espasmódica. Essa ideia é estúpida e racista e também foi apresentada. Todas as tentativas foram feitos. Contra todos elas, à medida que os fatos apareciam (notavelmente em relação à porcentagem surpreendentemente alta de detidos com endereços locais), mostrando ser falsas todas essas fantasias, fomos levados a reconhecer que simplesmente havia uma teoria política diferente na multidão.

A referida teoria, vamos chamá-la crítica, não tem como premissa a persuasão nem aponta para o local da votação. É uma teoria apenas porque é primeiro um conjunto de práticas. Poderíamos simplesmente dizer que eles forneceram o caráter singular de maio e junho na medida em que não são eleitorais. Mas essa descrição em negativo elimina o caráter positivo de tais lutas. Os saques, um fenômeno universal onde quer que o mercado seja o principal mecanismo de aquisição de bens necessários, não exigem subsistência, mas levam a ela. A apreensão do antigo Sheraton Minneapolis Midtown Hotel pode ser útil para comunicar um plano de batalha, mas sua importância reside em fornecer abrigo para os desabrigados e todo mundo quer isso. O saque da delegacia da 3ª região policial, a cerca de 20 quarteirões ao leste, encontra seu significado social no fato de que o número total de delegacias foi reduzido em um. Todo mundo quer isso também. 

Finalmente, é difícil contestar que o caráter desse levante nacional – nem o primeiro nem o último em relação ao policiamento racializado e aos assassinatos de Estado, mas nesse caso gerando um sentimento de algo historicamente extraordinário – deriva do grau em que essa política dominou noite após noite. E, por isso, contrasta fortemente com os meses anteriores. Primeiro uma política, depois outra.

As consequências relativas a esse ponto são claras. O gasto maciço de recursos da esquerda para a vitória eleitoral não pôde, no final, colocar o Medicare for All [Sistema Universal de Saúde – veja aqui] em cima da mesa, muito menos aprovar o candidato desejado. Os resultados da revolta já foram transformadores – certamente, de longe, o acerto de contas mais explícito e dramático com a supremacia branca em meio século. A Câmara Municipal de Minneapolis, população perto de meio milhão, prometeu dissolver sua força policial. A reivindicação de bairros autônomos e autogeridos foi subitamente uma opção. Essas coisas vão para o lado, já foram feitas. No entanto, são avanços reais, se alguém vê o mundo da perspectiva da reforma com sua janela de Overton, ou vê a paleta de ações diretas em expansão. Todos nós podemos apenas respirar, respirar e registrar o quão notável isso é.

Como consequência, a questão da linguagem se reafirma. Destacado pelo conhecimento de que décadas de reforma prometida e promulgada deixaram imperturbável o hábito policial de violência racial e de classe, um movimento pela abolição da polícia (heroicamente transmitido por algum tempo pelas feministas negras) chegou à imaginação popular. Instantaneamente, surgiu um debate entre aqueles que preferem o slogan “não financiar a polícia” (defund the police) e aqueles que preferem “abolir a polícia”. É na maior parte um debate amigável entre aqueles que se movem na mesma direção. Aqueles que preferem o primeiro insistem regularmente em que não financiar” significa seguramente “abolir” enquanto é mais apreensível para os recém-chegados; tem um apelo mais amplo e, não por coincidência, um mecanismo claro, e não uma demanda abstrata e imperativa. Aqueles que preferem o último temem que os dois termos possam sugerir resultados diferentes, com um abrindo caminho para reformas habituais e potencialmente vazias. Diante disso, o próprio fato de haver um debate parece decidir antecipadamente esse debate: a linguagem é pelo menos ambígua o suficiente para discutir, esse é o ponto de um dos lados.

De qualquer forma, é uma questão de linguagem e, portanto, se encaixa com a oposição que anima esse ensaio. O desacordo merece mais atenção, no entanto. Os dois lados não oferecem apenas inflexões diferentes, mas não é apenas uma questão de inflexão, mas, novamente, oferece teorias distintas da política. O termo defund [deixar de financiar, retirar os fundos – AC] vem da linguagem da política; mover as linhas do orçamento é um instrumento. Ao contrário, abolição não é um instrumento; é um resultado. Parece-me provável que o resultado da abolição provoque mudanças orçamentárias em desenvolvimento, e é por isso que os dois lados devem fazer uma causa comum. Por isso parece que é o caso de não escolher opor-se à linha do não-financiamento (defund line), mesmo que, como já vimos de cara, tenha começado a malandragem dos expedientes de recursos judiciais, nos quais se busca principalmente reestruturar máscaras aparentes de corte orçamentário.

Esse curso visa capturar um movimento antipolicial extra-eleitoral e liderado por negros para uma campanha eleitoral pró-polícia, para arrastar a primavera de 2020 de volta ao seu inverno. 

Dito isto, é estranho, para dizer o mínimo, sugerir que um mecanismo e uma meta sejam a mesma coisa, ou que realmente não importa qual você apresentar. Uma versão vê a política acontecendo, finalmente, dentro da estrutura já em vigor. Propomos que devemos convencer as pessoas de que é sensato fiscalmente parar de pagar esses caras para preservar a ordem social do capital racial. Precisamos mudar o item de linha que sustenta a produção incessante e mortal de cidadania diferencial, em que algumas vidas são mais importantes que outras. Como abordagem, ela se lança no moedor de carne do compromisso político. A outra abordagem, buscando um resultado além da estrutura atual, entende a política não como política, mas como poder. É certo que esse é um poder que ainda não possui, embora esteja mais próximo agora do que em 1992 ou 2014. Não financiamento vs. abolição repete em um único momento os dois movimentos políticos do ano. E o debate deve assim ser informado pelo que aprendemos ao longo do ano.

Essa é apenas uma das maneiras pelas quais as duas políticas estão numa tensão que não pode ser facilmente resolvida. Sua inconciliabilidade moldará a política dos EUA por algum tempo no futuro. A forma mais desmoralizante de sua falsa reconciliação é óbvia o suficiente: em outro e mais terrível exemplo, parece provável que, até o momento em que escrevo, o candidato democrata Joe Biden tenha escolhido como candidata a vice, seja Kamala Harris ou Val Demings. As duas mulheres negras são, respectivamente, promotora de carreira e policial de carreira. Esse curso visa capturar um movimento antipolicial extra-eleitoral e liderado por negros para uma campanha eleitoral pró-polícia, para arrastar a primavera de 2020 de volta ao seu inverno. 

Esse será o projeto central da classe política nas próximas semanas e meses: a reforma das duas políticas em uma, em que a linguagem é o limite do mundo e a política a linguagem da transformação. Se essa consolidação for bem sucedida, será um pesar para quem vê no final de maio e no início de junho um repúdio radical a essa visão. No entanto, há alguma esperança nos grandes esforços e despesas direcionados para esse esforço de contenção. O desespero da classe política de levar as pessoas de volta a uma estrutura tão supostamente realista trai uma única coisa: um verdadeiro terror de uma política proletária liderada por negros que não se limita a isso, que forma solidariedades entre linhas raciais e outras, em vez de votar em blocos, que já sabe o que o laboratório de 2020 nos mostrou, que sai à noite para fazer as coisas.

Joshua Clover é um marxista estadunidense, foi editor da já desaparecida revista Commune, poeta, ensaísta, professor de língua e literatura inglesas na Universidade da Califórnia (Davis).

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.