Apitar na floresta moribunda…

Tomasz Konicz

A contradição entre economia e ecologia, entre as restrições econômicas do crescimento econômico sem limites e os requisitos de uma política climática sustentável, é muito real. As elites funcionais dentro das “restrições práticas” da economia mundial não têm escolha a não ser reiniciar o motor de combustão capitalista, caso contrário sofrem a ameaça das mais graves convulsões sociais e políticas.

Foto do Greenpeace. Queimada na Amazônia

Estamos em campanha de assinatura gratuita de nossa revista. Veja aqui como pode ajudar.

Com base na população de árvores da cidade, o povo de Stuttgart pode descobrir quais são as consequências específicas que o início da mudança climática tem para a vida urbana. O terceiro verão consecutivo de seca deixou as árvores da cidade atingirem o limite de sua resiliência, muitas estavam literalmente lutando por sua sobrevivência, relatou o Stuttgarter Zeitung  em meados de agosto. E como o departamento de horticultura da cidade está atingindo seus limites de capacidade quando se trata de irrigação, as iniciativas dos cidadãos e organizações ambientais começaram a distribuir regadores para cidadãos comprometidos.

Os cidadãos devem cuidar de sua “árvore favorita”, encorajou Veronika Kienzle, candidata verde para a próxima eleição para prefeito. Uma vez que o denso desenvolvimento urbano armazena particularmente bem o calor do verão, as árvores são indispensáveis ​​para regular o clima urbano. Cada árvore, portanto, “vale ouro”, concordou um ativista ambiental.

Combater a crise climática com regadores – é como tentar apagar o sol com uma pistola d’água. Em vista do aquecimento global que avança rapidamente, em vista dos desdobramentos das convulsões climáticas, essa luta aparentemente desesperada contra os sintomas – mesmo que possa ter um uso prático no local – parece totalmente absurda.

As previsões pessimistas são mais realistas

O conceito “clima” não aparece no artigo do Stuttgarter Zeitung sobre o apelo de irrigação, no entanto, é referido como um “verão quente” – em que temperaturas recordes  prevalecem no Círculo Ártico e incêndios florestais devastadores devastam regiões inteiras da Sibéria . O permafrost no extremo norte, no qual quantidades gigantescas de gases de efeito estufa são armazenadas, descongela sete décadas antes do previsto pela ciência do clima, o que pode indicar que um ponto crítico no sistema climático foi ultrapassado. A situação é semelhante no pulmão verde do mundo, na Amazônia brasileira, onde a floresta tropical está sendo destruída em velocidade recorde sob o domínio de um extremista de direita.

Ao mesmo tempo, os políticos estão tentando colocar a economia mundial de volta ao caminho do crescimento – o que significa superar o mais rápido possível a queda nas emissões globais de gases de efeito estufa que resultou do combate à pandemia. As emissões de CO2, que no último mês de abril caíram 17 por cento em comparação com a média de 2019, aumentaram rapidamente novamente à medida que a máquina de reciclagem global começou a funcionar novamente, de modo que a melhoria em comparação com o ano anterior já foi amplamente compensada . 

As medidas de política econômica que visam superar a crise econômica o mais rapidamente possível são responsáveis ​​por isso. Associações ambientais e ativistas de proteção do clima, por exemplo, criticaram o pacote de reconstrução da Comunidade Européia como totalmente inadequado em termos de política climática. A China, maior emissora mundial de gases de efeito estufa, chegou a ultrapassar em maio o nível anterior à crise, após medidas econômicas apropriadas .

Essa dependência econômica das pessoas em uma economia que destrói a base ecológica da vida por meio de seu crescimento compulsivo é particularmente evidente no centro automotivo de Stuttgart, que na verdade é altamente dependente da produção de motores de combustão fóssil.

Distrair do dilema

Na década de 1990, quando o problema das mudanças climáticas já era conhecido, as emissões globais de CO2 eram de 22 bilhões de toneladas. Nesse ínterim, esse número quase dobrou e não há sinal de retorno. É óbvio que o capitalismo em um nível global – exatamente onde é importante – só pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa ao custo de uma crise econômica global. Esse também foi o caso na crise do ano de 2009, quando após o estouro da bolha imobiliária nos EUA e na UE, as emissões de CO2 puderam ser reduzidas por um curto período – para explodir no ano seguinte devido ao “sucesso” da política econômica. No entanto, isso também significa que a contradição entre economia e ecologia, ou seja, especificamente entre as restrições econômicas do crescimento econômico sem limites e os requisitos de uma política climática sustentável, é muito real. Disto se segue que as elites funcionais dentro das “restrições práticas” da economia mundial não têm escolha a não ser reiniciar o motor de combustão capitalista, caso contrário sofrem ameaças das mais graves convulsões sociais e políticas. Essa dependência econômica das pessoas de uma economia que destrói a base ecológica da vida por meio de seu crescimento compulsivo [Wachstumszwang] é particularmente evidente no Autostadt Stuttgart [centro automotivo da cidade alemã de Stuttgart – AC], que na verdade é altamente dependente da produção de motores de combustão fóssil.

A contradição é, portanto, óbvia, um simples olhar para os dados empíricos das últimas décadas ou para as manchetes correspondentes das seções econômicas e ambientais da imprensa diária é realmente suficiente para perceber que o capital está conduzindo a humanidade para o abismo – e muitos já suspeitam disso. Como as pessoas cuja existência social depende de sua renda vivem com essa premonição muitas vezes inconsciente de que no capitalismo tardio só se pode sobreviver literalmente em circunstâncias sempre precárias às custas do futuro, às custas de uma vida que valha a pena viver para os próprios filhos e netos?

Campanhas locais como a iniciativa de aguamento de árvores em Stuttgart também ajudam. Eles dão aos participantes a sensação de ter feito algo para o clima após o trabalho – antes de você ter que fabricar novos motores de combustão no dia seguinte para sustentar a família. Muitas dessas ações cidadãs locais servem, assim, de fato, como pílulas calmantes que fazem algo pela paz de espírito de todas aquelas pessoas que se esquivam da necessária transformação social, mesmo diante do que está aos olhos, afetando concretamente e não mais sendo ignorada a crise climática.

A catástrofe como o novo normal

Entretanto, na referida reportagem publicada pelo Stuttgart há uma infinidade de construções ideológicas auxiliares destinadas a reconciliar a humanidade com o colapso climático iminente. Desse modo, ocorre uma cisão esquizofrênica do discurso da crise pública em “questões factuais” supostamente separáveis, nas quais os dois momentos da crise sistêmica capitalista –  crise econômica e crise climática – estão perfeitamente separados uns dos outros. Por meio dessa separação discursiva, as medidas de estímulo econômico para ramp-up [retomada] da economia podem ser debatidas sem ter que lidar com as consequências climáticas. A contradição fundamental entre capital e clima, que está na origem da crise climática, desaparece na terra de ninguém entre as “questões factuais”. Enquanto as consequências das mudanças climáticas não forem sentidas diretamente, local ou regionalmente – por exemplo, como nos incêndios florestais na Sibéria e na super-exploração na região amazônica –, as estratégias usuais de recalque entram em vigor. Os efeitos desse hábito fazem com que as reportagens sobre catástrofes climáticas desapareçam das manchetes, de modo que a catástrofe climática se torna o “novo normal” ao qual é preciso se acostumar. Todo um discurso público gira em torno de estratégias locais e regionais para a adaptação às mudanças climáticas – sempre sob a ousada suposição de que a adaptação será de alguma forma bem sucedida; e para isso o curso errático e não linear das mudanças climáticas deve ser ignorado. Portanto, todos os fatos que contradizem a ideia capitalista primitiva de “adaptação” às mudanças climáticas se tornam particularmente difíceis de ser percebido pelo público.

Isso se aplica, por exemplo, a um estudo atual do Woods Hole Research Center (WHRC), em que a equipe de pesquisa envolvida comparou o desenvolvimento das emissões de gases de efeito estufa com as previsões anteriores do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas das Nações Unidas (IPCC). O resultado, que há poucos anos teria chegado às manchetes do público agora cansado da crise é devastador: o mundo caminha para o pior cenário de horror do IPCC (RCP 8.5), há muito considerado duvidoso e alarmista e que prevê a ascensão da temperatura global prevista em torno de 3,3, a 5,4 graus Celsius até o final do século. Uma ameaça à existência da espécie humana. Mas o silêncio generalizado na floresta alemã de jornais sobre esses resultados alarmantes de pesquisas, que fazem uma mudança radical na direção da política climática sem qualquer alternativa, só foi interrompido por algumas contribuições mais inclinadas a minimizar a extensão do desastre. Um artigo no “Süddeutsche” faz uma crítica geral da pesquisa: “Além disso, não está claro por que os autores de Schwalm lidaram com os cenários RCP – afinal, eles estão muito desatualizados”, este é o veredicto sobre os modelos que surgiram em 2013 no mais recente relatório de avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. 

Imagens de satélite mostram como está ocorrendo uma devastação massiva na Amazônia, como indica a estrutura em forma de espinha de peixe que atravessa o gramado. [Foto e legenda da publicação original]

Queremos ser divertidos de novo

Além da mencionada divisão discursiva de um tema nas áreas aparentemente independentes da crise econômica e da crise climática – que na verdade refletem apenas os dois lados de um mesmo processo de crise – e da marginalização de novos e alarmantes estudos climáticos, um otimismo convulsivo é galopante. Eles querem finalmente trazer boas notícias novamente sobre o clima. Por um lado, avanços seletivos na redução das emissões de CO2 são aclamados para fabricar uma reviravolta na política climática e uma vitória sobre o “conceito econômico e frio” de capital, como o jornal “Welt” postulou no início de 2020 por ocasião da ligeira queda de emissões na Alemanha. As leis do mercado, como se manifesta no comércio de direitos de poluição na UE, superariam a crise climática, segundo a lógica tortuosa desse argumento, que ignora com segurança como as leis do mercado vêm produzindo emissões cada vez maiores há décadas, apesar de todos os avanços tecnológicos.

Além disso, cultiva-se um discurso na opinião pública que quer ver os empresários, os agentes financeiros ou as corporações como um resgate do colapso climático iminente. Setores ou atores individuais já dariam início à reviravolta na política climática, segundo a apologética, que se refere tanto a tecnologias que ainda não foram inventadas quanto ao poder dos supostos “poupadores do clima”. Além da ideia maluca de que um bilionário egocêntrico como Elon Musk  ainda poderia evitar a mudança climática com seus e-cars, que são produzidos com muita energia, os gerentes financeiros costumam ser considerados figuras de salvação e poupadores do mundo. Sobre isso argumentou o colunista do SPON Henrik Müller, que queria ver uma proteção climática de todos os lugares na “gestora de ativos” Blackrock – o que só pode ser alcançado ignorando todas as evidências empíricas, já que a empresa é um dos maiores investidores em todas as oito das maiores empresas de carvão e petróleo do planeta. Padrões de argumentação semelhantes veem os fundos de pensão com pensamento “estratégico” ou a indústria de seguros no papel de atores quase estatais que, por meio de seu poder financeiro, forçariam as empresas a finalmente produzir de maneira ecologicamente correta. Ignora-se a compulsão à valorização do capital [Verwertungszwang des Kapitals], à qual os aparentemente onipotentes atores financeiros também estão cada vez mais submetidos em tempos de crise devido às baixas taxas de juros – e que exige principalmente do setor financeiro o financiamento de investimentos rentáveis ​​e ambientalmente prejudiciais.

O capital pode nos salvar do colapso climático por meio de todos os fantásticos trilhões que tem à sua disposição? Os extremistas de direita que governam o Brasil estão atualmente colocando o grande teste à prova: sob o presidente Bolsonaro, a quem o Deutsche Bank enobreceu como o “candidato ideal dos mercados”, foi lançado um programa no qual investidores privados do setor financeiro podem “adotar” áreas inteiras de floresta tropical, informou o FAZ. Um total de cerca de 15 por cento da área de floresta tropical da Amazônia é reservada para este programa. As corporações e os bancos, que segundo a apologética da mídia atuariam como poupadores do clima, teriam se mostrado “céticos” nas reações iniciais – a proteção da floresta não traz retorno.

Tomasz Konicz é um marxista alemão, residente na Polônia, autor de Klimakiller Kapital: Wie ein Wirtschaftssystem unsere Lebensgrundlagen zerstört [Capital assassino do clima: Como um sistema econômico destrói nossas fontes de vida] (2020). Este artigo foi publicado hoje em Kontext: Wochenzeitung.

Convidamos a todas e todos que nos leem a debaterem conosco esse tema na próxima segunda na TV A Comuna.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.